fbpx

urso

Vacina da gripe X Coronavírus

Vocês já estão sabendo da campanha de vacinação contra a gripe?

Desde dia 11 de maio (segunda-feira), o Ministério da Saúde divulgou a abertura da terceira fase da campanha de vacinação contra o vírus influenza, em que serão vacinadas crianças de 6 meses a menores de 6 anos, grávidas e puérperas e pessoas com deficiência.

Mas, Dra. Kelly, quando levar as crianças para tomar a vacina em meio a pandemia de coronavírus? É seguro? Existem cuidados especiais que devem ser tomados?

Calma, pessoal! Vamos entender todas essas questões na ordem correta.

Primeiro, é importante ressaltar que a vacina contra a gripe NÃO PROTEGE CONTRA O NOVO CORONAVÍRUS, mas é muito importante para proteger o público contra outros tipos de doenças respiratórias que podem impactar diretamente no sistema imunológico, deixando o indivíduo mais vulnerável à outras doenças. O não comparecimento das crianças nas unidades de saúde para realizar a imunização pode até mesmo impactar nas taxas anuais de cobertura vacinal e colocar a saúde de todos em risco daqui para frente. Além disso, com a vacinação contra a gripe, o número de casos suspeitos de coronavírus tende a diminuir, aumentando o número de diagnósticos precisos.

E vale ressaltar também que a vacina da gripe NÃO CAUSA GRIPE, como muitas pessoas acreditam, portanto ela é sim altamente recomendada!

Agora que você já sabe a importância de tomar essa vacina, vamos para outra questão:

É seguro levar as crianças para tomar a vacina em meio à pandemia?

O Ministério da Saúde dividiu a campanha de vacinação em fases para evitar ao máximo o contato entre pessoas que fazem parte do grupo de risco. Sendo assim, os bebês, crianças, gestantes, puérperas e deficientes possuem um período exclusivo para vacinação nesse momento da campanha.

Porém é muito importante que os pais e responsáveis tomem certos cuidados e busquem alternativas que melhor se encaixem para garantir a imunização de seus filhos nesse momento.

Observe abaixo algumas dessas alternativas:

EVITE HORÁRIOS DE PICO: Os postos de saúde estão trabalhando de forma intercalada nos atendimentos, imunizando os grupos de risco em diferentes intervalos. Procure informações sobre tais horários e busque levar seu filho em horários diferentes em que os idosos, por exemplos, estão sendo imunizados.

PROCURE POSTOS DE VACINAÇÃO ALTERNATIVOS: A recomendação é ir ao posto de saúde mais próximo de sua residência, porém é válido pesquisar por sua região se escolas, igrejas ou clubes fechados para suas atividades normais estão realizando imunização.

SE POSSÍVEL, RECORRA À CLÍNICAS DE VACINAÇÃO PARTICULARES: Se você tiver possibilidade de optar pela vacinação de seu filho em uma clínica particular, também é uma opção válida, afinal tais locais costumam ser mais vazios. Além disso, alguns planos de saúde disponibilizam a opção de vacinação domiciliar, ou seja, uma pessoa capacitada vai até sua residência realizar a aplicação da vacina, diminuindo o contato de seu filho com possíveis riscos.

NÃO SE ESQUEÇA DA MÁSCARA E HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS: Como expliquei recentemente em um post, não é recomendado que crianças abaixo dos 2 anos de idade façam a utilização de máscaras pois isso aumenta o risco de sufocamento. Porém, crianças acima dessa idade devem SIM fazer o uso da máscara! Além disso, é muito importante manter as normas de higienização como lavar as mãos, passar álcool em gel e colocar as vestimentas para lavar após retornar do posto de saúde. Caso a máscara não seja feita de pano (caseira), ela não é reutilizável e deve ser jogada fora após o uso.

OTIMIZE A VACINAÇÃO: Procure falar com o pediatra ou profissional de saúde responsável sobre a vacinação de seu filho. Caso seja necessário aplicar mais de uma vacina, deixe para realizar a imunização em uma única ida ao posto, mas claro, respeitando sempre as recomendações do pediatra sobre quais vacinas podem ser tomadas no mesmo dia sem que isso represente riscos a criança.

Vale ressaltar que, caso seu filho esteja apresentando sintomas de infecção respiratória como tosse, dor de garganta, febre ou esteja com suspeita de coronavírus, é recomendado NÃO IR a um centro de vacinação. Apenas após passados os sintomas e os 14 dias recomendados de isolamento será permitido a aplicação da vacina.

E, é claro, cabe aos pais também tomar todos os cuidados necessários com sua própria saúde e higiene ao levar a criança para ser imunizada.

ATENÇÃO ALÉRGICOS A OVO: desde 2016 a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI) orienta que alérgicos a ovo PODEM e devem ser vacinar contra a gripe! A quantidade de proteína contida na vacina não é suficiente para causar relação alérgica, mesmo em pacientes com a anafilaxia ao ovo. Pacientes com reações graves devem conversar com seu médico antes da aplicação da vacina.

Juntos conseguiremos vencer essa pandemia!

Dúvidas? Deixe nos comentários!

Não esqueça de se inscrever no canal do youtube da Pediatria Descomplicada, acesse:

Para ter acesso a conteúdos exclusivos, do Pediatria Descomplicada, junte-se ao grupo do Telegram através do link: https://bit.ly/30iJTkW.

Para seguir o blog e receber as novidades por e-mail, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga no Instagram(@pediatriadescomplicada, clique no canto superior direito “ativar notificações de publicação”).

Dra Kelly Marques Oliveira

CRM 145039

Consultório particular em São Paulo: (11) 5579-9090

Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga também no Facebook (ative o “ver primeiro”, para receber aviso dos posts novos) e Instagram (@pediatriadescomplicada, clique no canto superior direito “ativar notificações de publicação”).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Seja muito bem-vindo!
Quer receber Nossa newsletter coloque seu melhor email

(Não se preocupe, somos contra spam)