urso

Série: Segurança é tudo! – Como evitar afogamentos

Carnaval, festas e também acidentes podem acontecer!!!

Todo cuidado é pouco quando falamos de crianças e brincadeiras na água, e essas precauções devem ir muito além de se preocupar com a segurança das crianças na piscina, por exemplo, afinal para crianças pequenas que não sabem nadar, até mesmo 10cm de água representam um grande risco.

Banheiras, baldes, piscinas, rio e mar são apenas alguns exemplos de locais de risco para afogamento de crianças caso as medidas de segurança corretas não sejam tomadas. E quais são essas medidas, @pediatriadescomplicada? Vamos falar sobre elas hoje!

Veja abaixo as principais recomendações de segurança para evitar afogamentos, mamães e papais:

NUNCA DEIXE UMA CRIANÇA SOZINHA PRÓXIMA À ÁGUA

Mesmo explicando os riscos para seu filho sobre os perigos de nadar sozinho ou ir em partes muito fundas da piscina, os riscos continuam, afinal os pequenos não entendem completamente quão perigoso de fato são esses atos. Esteja sempre por perto e vigiando seu filho para evitar acidentes mesmo quando a brincadeira for na borda da piscina, por exemplo, e não dentro.

NÃO DEIXE DE COLOCAR COLETE SALVA-VIDAS NA CRIANÇA

Boias nem sempre são as melhores opções pois podem dar uma falsa impressão de segurança e não serem grandes aliadas quando a criança ainda não sabe nadar, além do constante risco de virar ou estourar a qualquer momento. Justamente por isso, a principal recomendação é que os pais coloquem colete salva-vidas nas crianças como forma de evitar afogamentos.

MANTENHA A ÁREA DA PISCINA RESTRITA

As piscinas representam um grande risco de afogamento de crianças quando não possuem as medidas de segurança corretas. Por isso, a recomendação é que as piscinas sejam protegidas por cerca de 1,5m de altura de muros ou cercas, além de conter portões com travas ou cadeados que impossibilitem o acesso de crianças sem o acompanhamento de um adulto. As capas de piscina anteriormente recomendadas para proteção podem, na verdade, tornar a situação ainda mais arriscado caso a criança caia na piscina pois dificulta que ela volte a superfície.

LEMBRE-SE DE ESVAZIAR BALDES, BACIAS, BANHEIRAS E PISCINAS INFANTIS

Como mencionei no começo do post, até mesmo uma quantidade mínima de água pode representar risco de afogamentos para as crianças, principalmente as mais novas. Por isso, após o uso, é fundamental esvaziar, manter virado para baixo e fora do alcance das crianças baldes, bacias, banheiras e piscininhas infantis.

OUTRAS RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES

Colocar seu filho em aulas de natação com instrutores qualificados para que ele aprenda a nadar desde cedo também é indicado para evitar afogamentos, porém não elimina 100% dos riscos, apenas diminui a porcentagem. Outra recomendação é conversar com seu filho e ensinar a importância de respeitar a sinalização dos locais, por exemplo em praias ou rios que contém avisos de local impróprio ou proibido para o nado. Evite também deixar brinquedos ou outros objetos na beira da piscina pois podem atrair a atenção dos pequenos e causar um acidente caso ele acabe escorregando.

E aí, o que estão achando dessa série de segurança na infância? Estão gostando? Deixe sua opinião nos comentários! E marque outras mamães e papais para todos conferirem o post!

Não esqueça de se inscrever no canal do youtube da Pediatria Descomplicada!

Para ter acesso a conteúdos exclusivos, do Pediatria Descomplicada, junte-se ao grupo do Telegram através do link: https://bit.ly/30iJTkW.

Um bjo,

Dra Kelly Marques Oliveira

Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga no Instagram(@pediatriadescomplicada, clique no canto superior direito “ativar notificações de publicação”).

Dra Kelly Marques Oliveira

CRM 145039

Consultório particular em São Paulo: (11) 5579-9090/ Whatsapp (11) 93014-0007

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.