urso

Você acha que as fórmulas infantis são à base de leite de vaca?

A recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS), do Ministério da Saúde (MS), da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) continua a mesma:

  • ALEITAMENTO MATERNO DESDE A SALA DE PARTO
  • EXCLUSIVO E EM LIVRE-DEMADA ATÉ O 6º MÊS
  • COMPLEMENTADO COM ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ATÉ 2 ANOS DE IDADE OU MAIS

Mas o que se vê, no Brasil e no mundo, são taxas muito aquém do desejado. Isso fez com que a OMS lançasse uma campanha propondo que até 2.025 tenhamos pelo menos 50% das crianças até o 6º mês em aleitamento materno exclusivo (AME). Entre as propostas de ação, a primeira, por ordem de importância, é limitar o marketing de fórmulas infantis (além de licença maternidade remunerada, fortalecer sistemas de saúde e apoio às mães – nessa ordem).

Isso mostra que o desafio não é só nosso e a observação é mundial.

Pediatras com muitos seguidores nas redes sociais (Instagram, Facebook, entre outros), reunidos em um grupo de WhatsApp, debateram essa proposta e decidiram lançar uma enquete para compreender um pouco mais sobre essa questão. Essa pesquisa teve a intenção de conhecer a opinião das mães que nos seguem em nossos perfis.
E assim, no dia 20/10, às 21 horas, foi lançada uma enquete com 48 horas de duração, através dos Stories de seus perfis no Instagram com a seguinte pergunta:

Você acha que as fórmulas infantis são à base de leite de vaca? 

RESULTADOS:

Número de pediatras participantes: 12

Número total de seguidores desses pediatras: 1.672.743

Número total de respostas: 26.070

SIM – Total: 13.326 – 51%

NÃO – Total: 12.744 – 49 %

Os resultados, apesar de serem bastante intrigantes, mostram uma realidade importante para reflexão. O que acontece para que 49% das pessoas que responderam à enquete, em sua imensa maioria mães, não saiba que as fórmulas lácteas infantis sejam produzidas à base de ingredientes do leite de vaca e cabra?

Independentemente da razão, a informação chega às mães e às famílias de uma forma inadequada, gerando confusão. Quando ocorre o desmame e começa a busca por um substituto, nos produtos e na propaganda das fórmulas lácteas infantis, são incluídas frases que remetem a uma comparação como “semelhantes” ou “idênticas” ao leite materno, o que aliás vai contra a lei (Norma Brasileira para Comercialização de Alimentos Lácteos, chupetas, bicos e mamadeiras).

Enquanto as fórmulas lácteas infantis, que são à base de leite de vaca (ou, mais recentemente, cabra) trazem cerca de 50 ingredientes em sua composição, o leite materno tem 800 componentes naturais conhecidos. Ele é um “medicamento personalizado”, vivo, que se modifica de acordo com as características e as necessidades de cada bebê.
O Leite materno é inigualável.

As fórmulas lácteas infantis à base de leite de vaca (ou cabra), bem como fórmulas infantis à base de proteína hidrolisada de arroz ou proteína isolada de soja (acima dos 6 meses de idade), podem ser indicadas em situações em que o aleitamento materno não é viável. Quando absolutamente necessário, é preferível o uso dessas fórmulas infantis ao leite de vaca integral (em pó, caixinha, líquido).

E para concluir e reforçar uma informação importante:

FÓRMULAS LÁCTEAS INFANTIS SÃO À BASE DE LEITE DE VACA (OU CABRA).

E se alguém te falar que a fórmula infantil é a base de leite materno, você fala a plenos pulmões:FÓRMULAS LÁCTEAS INFANTIS SÃO À BASE DE LEITE DE VACA (OU CABRA).

Quando há indicação, as fórmulas infantis são preferíveis ao leite de vaca integral (em pó, caixinha, líquido).

Consulte sempre seu pediatra.Vamos juntos em prol do aleitamento materno, respeitando as impossibilidades, mas garantindo segurança e confiança para quem está nessa luta.

Fizeram parte dessa enquete e desse texto os seguintes pediatras:

Amanda Ibagy – CRM.: 12.916 – Santa Catarina – Pediatra / Oncopediatra
Dra. Bianca Mello Soto – CRM.: 145-227 – São Paulo – Pediatra / Intensivista Pediátrica
Dra. Daniela Mendes Martins Eloy – CRM.: 169.552 – São Paulo – Pediatra / Neonatologista
Dr. Eugênio Pacelli de Oliveira Melo – CRM.: 10.153 – Ceará – Pediatra / Oncopediatra
Dr. Felipe Costa Lima – CRM.: 12.455 – Ceará – Pediatra
Dra. Karla Almeida Leite Lima – CRM.: 8712 – Paraíba – Pediatra
Dra. Kelly Marques Oliveira – CRM.: 145.039 – São Paulo – Pediatra / Alergista Pediátrica
Dra. Maira Luz – CRM.: 129.082 – São Paulo – Pediatra/Pneumopediatra
Dra. Mariele Vilela Rios Neves – CRM.: 52.165 – Minas Gerais – Pediatra
Dra. Thais Chaves do Nascimento Panuci – CRM.: 858.188 – Pediatra
Dr. Thiago Caldi de Carvalho – CRM.: 134,030 – São Paulo – Pediatra / Pneumopediatra
Dr. Yechiel Moises Chencinski – CRM.: 36.349 – São Paulo – Pediatra / Homeopata

Para ter acesso a conteúdos exclusivos, do Pediatria Descomplicada, junte-se ao grupo do Telegram através do link: https://bit.ly/30iJTkW.

E não esqueça de se inscrever no canal do youtube da Pediatria Descomplicada!

Um bjo,

Dra Kelly Marques Oliveira

Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga no Instagram(@pediatriadescomplicada, clique no canto superior direito “ativar notificações de publicação”).

Dra Kelly Marques Oliveira

CRM 145039

Consultório particular em São Paulo: (11) 5579-9090/ Whatsapp (11) 93014-0007

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Faixa