urso

Alerta: acidentes com escorpião

Esses dias eu recebi algumas mensagens de mães falando sobre um surto de acidentes com escorpião em São Paulo, e de fato houve um aumento na incidência de casos. Logo pensei em como ajudar a evitar esse acidente tão grave em crianças, e segue algumas informações que recebi do Guia de Vigilância do Ministério da Saúde, vale dar uma lida.

Acidentes com escorpiões são extremamente perigosos e podem ser fatais, mantenha seus filhos protegidos e saiba o que fazer se algum acidente ocorrer!

Acidente escorpiônico ou escorpionismo, o que é? 

É o envenenamento provocado por um escorpião quando este injeta seu veneno por meio de seu ferrão.

Escorpiões de importância médica no estado de São Paulo

Os escorpiões pertencem à classe dos aracnídeos (assim como as aranhas), predominantes nas zonas tropicais e subtropicais do mundo, tendo maior incidência nos meses mais quentes e úmidos (entre outubro e março).

No Estado de São Paulo há três espécies causadoras de acidente em seres humanos, sendo Tityus serrulatus, T. bahiensis e T. stigmurus:

Tityus serrulatus: conhecido como escorpião amarelo (Figura 1.). Possui pernas e cauda amarelo-claras e o tronco escuro. Medem até 7 cm de comprimento. É responsável pela maior parte dos acidentes.

 

Tityus bahiensis: conhecido como escorpião marrom ou preto (Figura 2). Possui o tronco escuro, pernas e cauda marrons avermelhados com manchas escuras. Possuem cerca de 7 cm de comprimento. São menos numerosos que o Tityus serrulatus em áreas urbanas.

 

Tityus stigmurus: conhecido como escorpião amarelo do nordeste (Figura 3). Assemelha-se ao T. serrulatus nos hábitos e na coloração, porém seu tronco é claro e amarelo, apresentando uma faixa escura longitudinal na parte superior, seguido de uma mancha triangular na região frontal da carapaça.

 

Quem está em maior risco? 

Os grupos com maior risco são crianças abaixo de 10 anos e idosos.
Outros grupos: trabalhadores da construção civil, de madeireiras, transportadoras e distribuidoras de hortifrutigranjeiros, por manusear objetos e alimentos onde os escorpiões podem estar alojados, além de pessoas que permanecem grandes períodos dentro de casa (Ex. acamados ou com restrições de mobilidade) ou nos arredores (como quintais), principalmente nas áreas onde sabidamente ocorre alta infestação do animal.

Primeiros socorros em caso de acidente com escorpião

O que o acidentado deve fazer:

  • Limpar o local com água e sabão
  • Aplicar compressa morna no local
  • Procurar o serviço de saúde mais próximo para que possa receber o tratamento o mais rápido possível
  • Se for possível (com segurança e desde que não leve muito tempo, pois a prioridade é o atendimento médico urgente), capturar o animal e levá-lo ao serviço de saúde.

O que o acidentado não deve fazer:

  • Não fazer torniquete ou garrote, não furar, não cortar, não queimar, não espremer o local da picada
  • Não fazer sucção no local da ferida
  • Não aplicar qualquer tipo de substância sobre o local da picada (fezes, álcool, querosene, fumo, ervas, urina, pó de café, terra), nem fazer curativos que fechem o local, pois isso pode favorecer a ocorrência de infecções
  • Não ingerir bebida alcoólica, álcool, querosene, gasolina ou fumo no intuito de tirar a dor, pois além de não agir contra o veneno, ainda poderá causar complicações no quadro clínico
  • Não colocar gelo ou água fria no local da picada, pois acentua a dor.

Como prevenir acidentes por escorpião? 

  • Manter jardins e quintais limpos
  • Evitar o acúmulo de entulhos, folhas secas, lixo doméstico e materiais de construção nas proximidades das casas
  • Evitar folhagens densas (plantas ornamentais, trepadeiras, arbusto, bananeiras e outras) junto a paredes e muros das casas
  • Manter a grama aparada
  • Limpar periodicamente os terrenos baldios vizinhos, pelo menos, numa faixa de um a dois metros junto às casas
  • Sacudir roupas e sapatos antes de usá-los, pois aranhas e escorpiões podem se esconder neles e picam ao serem comprimidos contra o corpo
  • Não pôr as mãos em buracos, sob pedras e troncos podres.
  • Usar calçados e luvas de raspas de couro para atividades em que seja preciso colocar a mão e pisar em buracos, entulhos e pedras
  • O escorpião apresenta hábito noturno, e assim, para evitar sua entrada nas casas, deve-se vedar as soleiras das portas e janelas quando começar a escurecer
  • Usar telas em ralos do chão, pias ou tanques
  • Vedar frestas e buracos em paredes, assoalhos e vãos entre o forro e as paredes, consertar rodapés despregados, colocar saquinhos de areia nas portas, colocar telas nas janelas
  • Afastar as camas e berços das paredes
  • Evitar que roupas de cama e mosquiteiros encostem-se ao chão
  • Não pendurar roupas nas paredes
  • Acondicionar lixo domiciliar em sacos plásticos ou outros recipientes que possam ser mantidos fechados, para evitar baratas, moscas ou outros insetos que servem de alimento para os escorpiões
  • Preservar os inimigos naturais de escorpiões e aranhas: aves de hábitos noturnos (coruja, joão-bobo), lagartos, lagartixas e sapos.

A forma mais adequada de se evitar o aparecimento de escorpiões nas residências é evitar o acúmulo de detritos e entulhos no terreno, principalmente aqueles que possam atrair baratas e servir de abrigo para o escorpião. Além disso, deve-se vedar frestas, vãos e ralos que permitam a entrada desses animais.

O que fazer se for picado por escorpião? 

Procure o serviço de saúde mais próximo, preferencialmente um pronto atendimento, pronto socorro ou hospital, ou seja, uma estrutura que tenha condição de dar um suporte maior.

Quais são os sintomas? 

Casos leves (acometimento local): Dor local é um sintoma que aparece em 100% dos acidentes, logo após a picada . Além da dor, podem ocorrer sudorese local, parestesia, eritema, edema discreto, eriçamento dos pelos na região da picada. Se a picada for na mão ou no pé (principais locais acometidos), esses sinais podem atingir todo o braço ou perna.

Casos moderados a graves (acometimento sistêmico): em um intervalo de tempo de minutos a horas, podem ocorrer sintomas como  sudorese profusa, agitação psicomotora, tremores, náuseas, vômitos, salivação excessiva, hiper ou hipotensão arterial, arritmia cardíaca, insuficiência cardíaca congestiva, edema pulmonar e choque.

Crianças são o grupo de maior suscetibilidade ao envenenamento sistêmico grave.

OBS: se esses sintomas ocorrerem, mesmo que não tenha sido identificada a presença de escorpião, deve- se pensar em acidente escorpiônico.

Outros diagnósticos 

Deve-se pensar em acidente por aranha do gênero Phoneutria (aranha armadeira), pois as manifestações clínicas locais e sistêmicas são indistinguíveis.

Qual o Tratamento? 

Na maioria dos casos, onde há somente sintomas leves, o tratamento é sintomático e consiste no alívio da dor por infiltração de anestésico ou analgésico sistêmico.

O tratamento específico consiste na administração do Soro Antiescorpiônico (SAEsc) ou Soro Antiaracnídico (SAA) – Trivalente: Loxosceles, Phoneutria, Tityus aos pacientes clinicamente classificados como moderados ou graves.

Informação importante não é? Compartilha então pra alguém que também precisa saber!

Com carinho,

Dra Kelly Marques Oliveira

Pediatra, Alergia e Imunologia e Consultora Internacional de Amamentação (IBCLC) – CRM 145039

E aí gostou do conteúdo? Espero que tenha ajudado a esclarecer dúvidas! Compartilhe! E você sabia que dá para receber o conteúdo do blog direto no seu e-mail? É só se cadastrar! Estamos também no instagram @pediatriadescomplicada (ative as notificações para visualização).

Consultório Espaço Médico Descomplicado – São Paulo: (11) 5579-9090/ whatsapp (11) 93014-0007

Referências:

Guia de Vigilância em Saúde, 2017, SVS/MS Ofício Circular no 4/2014. CGDT/SVS/MS Manual de Controle de Escorpiões, 2009.SVS/MS

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Faixa