urso

Sobre aleitamento materno prolongado

“O desmame não é um evento e sim um processo, que faz parte da evolução da mulher como mãe e do desenvolvimento da criança, assim como sentar, andar, correr, falar. Nesta lógica, assim como nenhuma criança começa a andar antes de estar pronta, nenhuma criança deveria ser desmamada antes de atingir a maturidade para tal.” Dra. Elsa Giuliani

Vamos falar sobre Amamentação prolongada e também sobre desmame gentil?

O leite materno é uma das fontes de alimentação mais completas que existem para a criança. Além dele conter todas as fontes de vitaminas e nutrientes necessários ao correto desenvolvimento do bebê, amamentar também é um gesto muito importante do ponto de vista psicológico, uma vez que ele é traduzido à criança na forma de segurança e carinho. Mas tudo tem um começo…e também tem um fim! Mas quem determina o desmame? A mãe? O bebê? A sociedade?

Claro que estamos falando de um desmame gentil, natural e de forma tranquila, não um desmame precoce. Desmame ainda é um tabu dentro desse assunto de amamentação, mas precisamos também falar sobre ele né?

Então realmente para considerarmos um desmame sendo natural em gentil, ele raramente irá acontecer antes de 1 ano de idade, pois até então o leite materno tem um papel extremamente importante.  Após 1 ano  de idade, a amamentação para a criança vai tornando-se algo muito mais forte em termos de laços emocionais do que nutritivos! Claro que ainda existem nutrientes, mas a criança mama também para aconchego, carinho, para relaxar, quando está com medo ou inseguro, quando está doente….E tudo bem com isso. Mas como qualquer relação, ela se fortalece com o tempo.

Cabe apenas a mãe e seu bebê definir o momento do desmame. Ninguém deve (ou deveria) intervir nessa relação, nem dizer o momento de parar.

Leia Mais sobre a Importância da Amamentação.

Então como você está em relação a isso? Seu desejo e do seu bebê estão sendo respeitados? 

Cabe apenas à mulher e seu bebê a decisão final de manter a amamentação até que ocorra o desmame natural ou interrompê-la antes disso, através do desmame gentil. O pediatra pode, através da escuta da dupla mamãe e criança,, ajudá-las no processo, se esse for o desejo ou necessidade da dupla.

Quando falamos de desmame, estamos falando de uma relação muito forte entre mãe e bebê, não é apenas sobre um peito e uma boca! São 2 pessoas, com suas necessidades que envolvem inúmeros aspectos.

Por quanto tempo o aleitamento materno pode se estender?

Ninguém mama pra sempre, e nem até a faculdade (prometo! rs), mas como saber se a criança está pronta? Como saber se o momento do desmame chegou? Existem alguns indicativos da criança que ajudam a saber que ele já está pronto para o desmame, veja abaixo.

Sinais sugestivos de que a criança está apta para enfrentar o desafio do desmame:

  • Idade maior que um ano
  • Menos interesse nas mamadas
  • Aceita alimentos diversos
  • Mostra-se segura na relação com a mãe
  • Consola-se com outras formas de consolo além do peito
  • Aceita limites quanto à amamentação em determinadas circunstâncias e locais
  • Por vezes dorme sem mamar
  • Mostra pouca ansiedade quando encorajada a não mamar
  • Às vezes prefere outras atividades com a mãe em vez de mamar.

Ah mas o bebe tá muito grande pra mamar, não tem mais nutrientes…Já ouviu isso? 

Mesmo que muitas pessoas estimulem o aleitamento materno no início, a amamentação prolongada torna-se um desafio pois muitas mães deixam de receber esse apoio, até mesmo de conhecidos, parentes e médicos também. Então começa a rolar uma pressão para o desmame: não é bom para as mamas, interfere na relação entre o pai e a criança, interfere na relação do casal, incluindo as relações sexuais, sentimentos de exclusão, desvalia e ciúmes…e por aí vai.

Leia mais sobre o Momento do Desmame.

A criança mamando muito tempo no peito vai “criar dependência” e será prejudicial para ele

Crianças com vínculo seguro (o que pode não ocorrer com crianças que desmamaram antes de estarem prontas) tendem a ser mais independentes, a ter mais facilidade para se separar de suas mães e a entrar em novas relações com mais segurança e estabilidade, e são, na realidade, mais fáceis de serem disciplinadas.

Essa criança nunca vai desmamar 

A verdade é que poucas mulheres amamentam por tempo suficiente para que ocorra o desmame natural. Nesse tipo de desmame a criança desmama por si só, o que tende a ocorrer entre 2 e 4 anos de idade. A mãe pode também ter participação ativa no processo, ajudando com muita conversa, e colocando limites que a criança possa entender.

Quando o desmame acontece de forma ruim…

Em milhares de casos o desmame acontece por milhares de motivos que fogem ao nosso controle, ou mesmo falta de informação adequada.  Alguns motivos são: percepção da mãe de leite “fraco” ou insuficiente, greve de peito, trabalho fora do lar, problemas como mastite ou fissuras e pressão de outros para desmamar.

Muitos desses problemas poderiam ser evitados se houvesse apoio adequado. Um desmame precoce ou abruto nunca deveria ocorrer, pois isso gera problemas tanto para mãe quanto pro bebê, como sentimento de rejeição, insegurança e rebeldia para o bebê, e ingurgitamento mamário, estase do leite e mastite, além de tristeza ou depressão, culpa e luto pela perda da amamentação para essa mãe. Cabe a nós também estarmos sensíveis a isso e acolher essas mães.

A amamentação prolongada é um grande desafio que a sociedade precisa caminhar nesse sentido, pois o maior entrave pra isso, no fim das contas, somos nós. Quando o olhar for de acolhimento, compreensão e apoio, aí então teremos feito o nosso papel. Porque amamentar é um presente e sim, é também um direito. Então respeite!

Um abraço,

Dra Kelly Marques Oliveira

Pediatra, Alergia e Imunologia e Consultora Internacional de Amamentação (IBCLC)

CRM 145039

Consultório Espaço Médico Descomplicado – São Paulo: (11) 5579-9090/ whatsapp (11) 93014-0007

E aí gostou do conteúdo? Espero que tenha ajudado a esclarecer dúvidas! Você sabia que dá para receber o conteúdo do blog direto no seu email? Só fazer o cadastro na nossa newsletter e colocar seu email! Estamos também no Facebook (curta e coloque para “ver primeiro” nas opções) e instagram @pediatriadescomplicada (ative as notificações para visualização).

6 Comments

  • Talita tavares Mamede 21/03/2018 Reply

    Adorei as informacoes e gostaria de saber do desmame.noturno. qual é a melhor forma de realizar??

    • Dra. Kelly Marques Oliveira - Pediatra 20/04/2018 Reply

      Olá tudo bem ? Além de Pediatra também sou especializada como consultora internacional de amamentação,  neste caso o interessante é que passe em consulta para que eu consiga ajudar a sanar suas dúvidas e ajudar neste aspecto, caso esteja em SP entre em contato conosco para agendar sua consulta ☎  (11) 5579-9090 e pelo whatsapp(11) 93014-0007

  • Michael Daamen 22/03/2018 Reply

    Cara Dra Kelly,
    Acompanho seu site e agradeço muito por todas as dicas e informações compartilhadas. Não é muito fácil achar um pediatra que tenha o cuidado de informar corretamente as pessoas e ter cuidado com os excessos de medicamentos e falta de consideração pelos cuidados afetivos não puramente físicos da criança. Muito obrigado.
    Mas queria aproveitar para pedirse não seria possível fazer algum texto a respeito dos cuidados e dificuldades da amamentação, principalmente as dificuldades que aparecem quando a mãe é o bebê conseguem chegar no ponto ideal da amamentação: amamentação exclusiva e a livre demanda.
    Digo isso, pois, para incentivar a amamentação, praticamente só se encontra informações sobre as muitas vantagens da amamentação e nada sobre estas dificuldades pós início da amamentação.
    As dificuldades que digo são o cansaço excessivo da mãe, a dependência do filho, o bebê machucando o peito, bebê com associações erradas de fome e sono com peito, bebês que acabam acordando a noite toda e dificuldades para se alimentar devido a esta associação errada.
    No nosso caso com nossa filha temos todas estas dificuldades e o que mais escutamos é que a culpa é toda do peito. Ela está com 2,5 anos, ainda mama bastante e praticamente ainda a livre demanda.
    Para nós isso nos pegou totalmente despreparados. Tivemos tanta informação falando das vantagens e nada nos preparando para estas questões. Assim, além de ainda não sabermos como sair desta situação e estarmos sofrendo bastante, não temos argumentos para nós defender das críticas.
    Nós que conseguimos fazer tudo o que considerávamos certo sente amamentação, acabamos virando um mal exemplo para outras mães.
    Por isso acho importante tocar neste assunto. Não acho que somente falando as coisas boas que se irá promover a amamentação. É preciso preparar melhor as famílias para enfrentar as dificuldades. Se não muitos desistem logo ou passam a estar por tanto tempo sem na verdade aproveitar bem o crescimento do filho e sim sofrer.
    Ainda não sabermos como sair desta situação. Estamos totalmente perdidos e desanimados.

    • Dra. Kelly Marques Oliveira - Pediatra 23/04/2018 Reply

      Olá Michael tudo bem ? Além de Pediatra também sou especializada como consultora internacional de amamentação,  neste caso o interessante é que passe em consulta para que eu consiga ajudar a sanar suas dúvidas e ajudar neste aspecto, caso esteja em SP entre em contato conosco para agendar sua consulta ☎  (11) 5579-9090 e pelo whatsapp(11) 93014-0007
      Um Bj
      Dra. Kelly

  • Fran Giordano Tedeschi 25/03/2018 Reply

    Lindo texto..eu sou a favor do desmame gentil. Quero que minha bebe decida quando nao quiser..e lendo esse artigo ja pude ver como me preparar futuramente. Eu amo amamentar. Obrigada Dr. Bjss

    • Dra. Kelly Marques Oliveira - Pediatra 20/04/2018 Reply

      Olá Franciele boa tarde,agradeço pelo carinho, relatos como este que me motivam.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Faixa