urso

Tosse dos 100 dias: entenda o que é a coqueluche

www.newstank.co.uk

 

Olá queridos papais e mamães,

Sabe aquela tosse “de cachorro”, tosse comprida, aquela tosse que está durando meses já e não melhora? Pode deixar até o seu bebê com falta de ar  e roxinho? Pode ser coqueluche…

Hoje falaremos sobre essa doença que nos últimos anos tem aumentado significativamente o número de casos, hospitalizações e até morte, apesar de existir vacina para ela. Vamos entender um pouco sobre ela, porque é tão importante essa doença e o que devemos fazer.

A coqueluche é causada por uma infecção do trato respiratório por uma bactéria chamada Bordetella pertussis, causa uma tosse por período muito grande de tempo (conhecida também como a “tosse dos 100 dias”…) e a característica da tosse também é peculiar, sendo uma tosse em acessos, que pode causar vômitos, falta de ar e até apnéia (quando o bebê pára de respirar por alguns segundos, podendo ficar até com os lábios roxos). A tosse ocorre em acessos, são rápidas, curtas e fazem um “guincho” ao final, uma respiração profunda para tentar puxar o ar. É uma doença altamente contagiosa, com a sua principal transmissão dentro de casa, por pais e irmãozinhos com a doença, que passam para o bebê.

A Organização Mundial da Saúde estima que existam cerca de 16 milhões de casos no mundo, com 195.000 mortes! 95% dos casos ocorrem nos países em desenvolvimento. No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, foram notificados em 2012, 15.428 casos suspeitos de coqueluche no país, com 2990 hospitalizações. Um fator preocupante foram 86 mortes, a maioria em bebês com menos de seis meses de idade. Este problema do aumento do número de casos de Coqueluche está acontecendo no mundo todo e não somente aqui no Brasil. Devemos lembrar que este quadro no bebê pequeno, ainda com a vacinação incompleta, é bastante grave e precisamos saber como evitar essa doença, e uma vez que ela ocorre, reconhecer os sinais de gravidade.

Os adultos e adolescentes são as principais fontes de contaminação da coqueluche dentro das casas. Um caso de coqueluche em uma criança menor de um ano é indicador de casos de coqueluche não detectados na comunidade.

Porque está acontecendo este aumento em uma doença em que existe vacina para para todas as crianças?

As coberturas de vacinas contendo o componente pertussis (responsável pela doença) aumentaram significativamente nos últimos 20 anos, acima de 80% em 2009; entretanto, a coqueluche ainda é um importante problema de saúde pública, e ocorre ocorrendo na forma endêmica e epidêmica, mesmo nos países em que as coberturas vacinais no primeiro ano de vida são superiores a 95%. Num estudo publicado na revista Acta Paediatrica em junho desse ano mostrou que mesmo em crianças vacinadas a taxa de hospitalização ainda é alta, principalmente em crianças menores de 2 anos

Entretanto a infecção e a imunização não protegem para sempre! A ausência de reforços da vacina leva a um aumento de casos na idade da adolescência e adultos jovens. Este grupo apresenta doença com poucos sintomas e passam a ser responsáveis para a disseminação da doença para a população mais predisposta a ter a doença que são as crianças menores de 2 anos. Outro fator importante para o maior numera de doença nos lactentes jovens é a menor transmissão de anticorpos por via transplacentaria que é consequência da queda dos níveis de anticorpos na população de adultos jovens.

O ser humano é o único hospedeiro da B. pertussis. A bactéria é um patógeno específico de humanos e não sobrevive bem fora do hospedeiro. A transmissão ocorre através do contato com gotículas respiratórias geradas por tosse ou espirro de pessoas doentes, especialmente na fase catarral e início da fase paroxística, nas primeiras três semanas do quadro, quando dificilmente se faz a suspeita diagnóstica. Até 80% dos contactantes domiciliares imunes adquirem a doença decorrente da imunidade reduzida contra a doença, perdida pelo longo tempo sem vacinar.

Os irmãos mais velhos (incluindo os adolescentes) e os adultos apresentam formas mais leves da doença com formas leves e atípicas e são pouco diagnosticados. A doença nos adultos jovens, frequentemente assintomáticas, é a mais importante fonte da infecção para as crianças pequenas.

Quadro Clínico

Os sintomas variam muito com a idade, início precoce de antibiótico, presença de outras doenças, se foi vacinada ou não, e se a vacina foi completa. Existe um período de incubação da doença de 7 a 21 dias, ou seja, o intervalo de tempo em que a criança entrou em contato com alguém doente e começou a desenvolver a doenaç. No início os sintomas são semelhantes ao de resfriado comum. Pode ter uma febre baixa. Ap´so 7 a 10 dias, inicia uma tosse paroxística (em salvas), que pode persistir por semanas…ocorrem acessos de tosse súbitos, com uma tosse rápida, curta, com uma única expiração no final seguida de uma inspiração profunda, caracterizada por um “guincho” e vômitos logo após a tosse. A tosse pode durar meses…

O principal motivo de hospitalização de bebês com menos de seis meses é a complicação de pneumonia, em mais da metade dos casos, muitas vezes acompanhada por crises de apnéia (a criança pára de respirar por alguns segundos, podendo ficar com uma coloração arroxeada) e hipóxia (falta de oxigênio no sangue), levando à necessidade de internação em unidade de cuidados intensivos. Outras complicações são perda de peso, infecção de ouvido, convulsão e morte. Embora as complicações sejam mais frequentes em lactentes com esquema vacinal incompleto, elas podem ocorrer em pessoas de qualquer idade. Frequentemente vemos também aumento das células brancas no sangue (chamada de leucocitose)

Bebês pequenos com quadro de apnéia ou tosse paroxística devem ser hospitalizados. Lembrar que Recém-nascidos prematuros, crianças com doenças cardíacas, pulmonares, musculares ou neurológicas apresentam alto risco de evoluir para doença grave.

Principais sinais de Alarme para quadros Graves

Bebês e crianças que apresentam desconforto respiratório importante apesar do uso de oxigênio podem precisam de um suporte respiratório maior, com monitorização em unidade de cuidados intensivos.

Sinais de Alarme

1.  Frequência Respiratória elevada para a idade

2. Qualquer sinal de insuficiência respiratória, identificada pelo médico

3.  Frequência Cardíaca elevada para a idade

4.  Contagem de leucócitos no sangue acima de 50.000 céls/mm3

5.  Rápido aumento do número de Leucócitos

6.  Hipóxia (falta de oxigênio no sangue, sobretudo no cérebro), após paroxismos de tosse persistentes

7. Presença de convulsão 

Outros diagnósticos também são possíveis…

A tosse coqueluchóide, como é conhecida, não é exclusiva da coqueluche e por ocorrer em várias infecções virais, como o Adenovírus. Outras bactérias também podem simular a doença. Por isso se seu bebê tá com uma tosse daquelas, pode ser, mas nem sempre é coqueluche. Esses sintomas tão variados só torna o nosso trabalho como médico ainda mais desafiador, de verdadeiro detetive.

Como é feito o diagnóstico? 

O diagnóstico baseia-se em sobretudo na história da criança e no exame físico, se tem casos na família ou alguém tossindo em casa, e também em exames laboratoriais.

Toda pessoa que apresente tosse por mais de 14 dias, associada a sintomas como tosse paroxística, guinchos inspiratórios, ou vômitos pós-tosse, pode se suspeitar de coqueluche. Outros exames mais específicos podem ser feitos e você pode se informar com o médico da criança da disponibilidade deles. A coleta de hemograma pode ajudar no diagnóstico, porém não confirma a doença.

Tratamento 

O tratamento é feito com antibiótico e a maioria das crianças podem ser tratadas em casa, porém criança com quadro grave ou potencialmente grave, como bebês menores e 6 meses ou crianças com doenças crônicas, devem ser considerada a internação hospitalar. O uso do antibiótico NÃO cura a tosse, que pode durar meses ainda assim, porém geralmente reduz o tempo dos sintomas.

Para alívio da tosse, muita hidratação, inalação com soro fisiológico, e lavagem nasal também com soro fisiológico ajudam. Veja o post sobre tosse que tem muitas dicas de como aliviá-la aqui.

VEJA COMO PREVENIR A DOENÇA! – VACINAÇÃO 

No Brasil, a vacina contra coqueluche é aplicada desde 1975, é conhecida como a vacina tríplice bacteriana, ou DTP, que protege contra difteria, tétano e pertussis (a coqueluche).  Existem 2 tipos de vacina, a celular e a a acelular. A vacina celular está disponível no SUS nas Unidades Básicas de Saúde. A diferença consiste basicamente nas possíveis reações adversas relacionadas à vacina, muito mais comum na celular. A criança pode apresentar desde reações locais, como vermelhidão endurecimento e inchaço no local da vacina, até febre irritabilidade, sonolência e raramente convulsão até 48h após a dose. Qualquer reação deve ser relatada para o pediatra, a fim de tomar as providências necessárias.

O esquema vacinal básico é composto por 3 doses e deve ser inciado a partir dos 2 meses de vida, com intervalo mínimo de 30 dias entre as doses. O primeiro reforço deve ser feito  com 15 meses e o segundo reforço com 4 a 6 anos. A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda uma dose extra de reforço da vacina Acelular  para adolescente de 14 a 16 anos.

Profilaxia: como se proteger e proteger o seu bebê? 

Mamães, para diminuir o número de casos nos lactentes jovens o Ministério da Saúde recomenda às gestantes a Vacina Tríplice Acelular Tipo Adulto, preferencialmente após a 20ª semana de gestação, podendo ser administrada simultaneamente às outras vacinas indicadas na gestação, tais como vacinas contra hepatite B e Influenza. Por isso, peça para o seu médico a vacina!

O ideal é que todo contactuante do bebê, seja pai, mãe, avós ou irmãos adolescentes, recebam uma dose da Vacina Tríplice Acelular Tipo Adulto, assim que o bebê nascer ou pouco antes, para haver uma proteção do bebê, já que a vacinação do bebê só estará completa com 6 meses de vida!

Uma vez que exista um caso de coqueluche na familia, seja no bebê ou adulto, como proceder?

O ideal é que seja feito o tratamento de toda a família que mora na casa, através do que chamamos de quimioprofilaxia. Consulte o médico da criança para mais detalhes.

Obrigado pela participações nos posts, pelo envio de dúvidas e sugestões! Continuem mandando para poder melhorar cada vez mais o blog!

Espero que tenham aprendido bastante! Compartilhe para que outras pessoas também possam ter essa informação 😉

Um bjo

Dra. Kelly Marques Oliveira

Pediatra, Alergia e Imunologia e Consultora Internacional de Amamentação (IBCLC) – CRM 145039

E aí gostou do conteúdo? Espero que tenha ajudado a esclarecer dúvidas! Compartilhe! E você sabia que dá para receber o conteúdo do blog direto no seu email? É só se cadastrar! Só fazer o cadastro na nossa newsletter e colocar seu email! Não se preocupe pois somos contra spam, e você receberá somente os conteúdos relevantes. Estamos também no Facebook (curta e coloque para “ver primeiro” nas opções) e instagram @pediatriadescomplicada (ative as notificações para visualização).

Consultório Espaço Médico Descomplicado – São Paulo: (11) 5579-9090/ whatsapp (11) 93014-0007

Veja outras dicas  em:

Referências Bibliográficas:

  • Pertussis is still common in a highly vaccinated infant population. Acta Paediatrica Volume 103, Issue 8, pages 846–849, August 2014
  • Tratado de Pediatria da Sociedade Brasileira de Pediatria, 3ª edição – 2014

Photo Credit:  www.newstank.co.uk

21 Comments

  • Pingback: Mamãe, seu filho está com bronquiolite? Saiba o que é e o que fazer | pediatria descomplicada

  • Pingback: Bronquiolite: a importância da prevenção | pediatria descomplicada

  • Pingback: Tosse: medidas simples e eficazes para acabar com esse mal | pediatria descomplicada

  • Pingback: Bronquiolite: Como tratar? | pediatria descomplicada

  • Pingback: Vacinação: tudo que você precisa saber – parte 1 | pediatria descomplicada

  • Taty 28/11/2015 Reply

    Minha filha começou um uma tosse fraca,foi aumentando, teve febre alta de 39.1os médicos falaram que achava que era coqueluche, já tem uns 10 dias de tosse ela ta tomando antibióticos, corticosteróide,anti tussigenos e a festa dela ta marcada pra daqui 1 semana ,corre risco de contágio aos convidados dela ??ela vai completa r 3 aninhos.

  • Pingback: Bronquite, dermatite e tempo seco, o que fazer? | pediatria descomplicada

  • Jessica Martins 14/10/2017 Reply

    Dra.Kelly, meu bebê terminou o tratamento contra a coqueluche dia 25/09, mas continua tendo episódios de tosse, alguns ainda faltando o ar. Até quando esses episódios irão? A pediatra do PA explicou que a tosse persistiria por até dois meses, mas pensei que seria uma tosse comum, e não essa de deixa-lo com falta de ar. Agradeço desde já a sua resposta.

    • Dra. Kelly Marques Oliveira - Pediatra 29/12/2017 Reply

      Olá Jessica! Imaginamos o quanto sua dúvida te deixe angustiada ,mas infelizmente o conselho federal de medicina não permite que nenhum de nossos profissionais deem condutas pela internet, pois cada caso é um caso e é necessária uma avaliação.

  • Tamires 07/02/2018 Reply

    dr Kelly meu filho tem 3meses está terminando o tratamento de coqueluche hoje mas ainda está com tosse leve e nariz tranca as veses oque eu fasso contínuo dando o antibiótico era pra para de dar hoje mas a tosse ainda tem

    • Dra. Kelly Marques Oliveira - Pediatra 15/02/2018 Reply

      Olá Tamires.. Não precisa tomar de novo, somente daqui 8 anos.

  • Maria Cecília 10/04/2018 Reply

    Bom dia….
    Eu estou com tosse já há 2 meses…e minha tosse tem os sintomas de coqueluche.
    Precisei implorar para o medico me dar uma guia para eu fazer exame para saber se é ou não coqueluche.
    o pedido vai para auditoria do convênio só daqui 5 dias que pego a autorização….se o convênio autorizar.
    minha preocupação é porquê trabalho com crianças de 2 anos.
    se for coqueluche posso estar transmitido para elas.
    neste último mês as crianças têm faltado muito pois estão tendo febre e tossindo muito.
    As mães sempre avisam sobre as faltas das crianças

    • Dra. Kelly Marques Oliveira - Pediatra 20/04/2018 Reply

      Olá Maria Cecília boa tarde, realmente pode estar transmitindo sim uma vez que a transmissão é por meio da secreções e saliva.
      Um bjo

      Dra Kelly

  • Thiago 11/07/2018 Reply

    Doutora
    Minha neném de 2 meses e 20 dias está com Coqueluche, medicada com antibiótico e com inalação com Soro e Clenil. Surgiram muitas dúvidas depois que saímos da consulta com o Pediatra, são elas:
    1. Ela tomou a primeira dose da vacina, isso pode ajudar ?
    2. Ela tem tosse com aquela característica de puxar o ar no final, isso sugere Que ela esteja na fase paroxistica?
    3. Quando saber se preciso internar? Não quero esperar chegar ao ponto de limite… Mas também não quero internar sem necessidade.
    Obrigado
    Thiago

    • Dra. Kelly Marques Oliveira - Pediatra 12/07/2018 Reply

      Imagino o quanto sua dúvida é angustiante, afinal, nossos Pequenos são nossos maiores tesouros… Infelizmente, o Conselho federal de Medicina não me permite dar condutas pela internet pois cada caso é um caso, e é necessário avaliar com todo carinho e atenção que eles merecem.
      No blog pediatriadescomplicada.com  você encontra diversas informações sobre diversos assuntos… que tal dar uma olhada? Caso você esteja procurando por algo específico basta colocar o termo na barra de buscas que está localizada na parte superior. ☎  (11) 5579-9090 e pelo whatsapp(11) 93014-0007

  • Karina 12/07/2018 Reply

    Bom dia Dr Kelly
    Tenho 3 filhas uma de 7 e 5 e 1e meio a de 1 ano começou tendo tosse principalmente a noite tosses secas e com falta de ar fiquei preocupada levei na upa mais os médicos falaram que só era gripe isso já tem 30 dias agora as minha outras filha também estão. Tossindo muito com ficam sem respirar e chegam a vomitar mais na upa os medico dizem que e apenas uma gripe como posso fazer para elas tomar os medicamentos. Uma vez que só vendem antibióticos. Com a receita..

  • Andressa 07/08/2018 Reply

    Bom dia Dra minha bebê está com tosse coqueluchoide levei ela no pediatra antes de saber que era isso ele pediu para adiar a penta pois ela estava com a imunidade baixa .e agora ela foi diagnosticada com essa tosse euevo dar a vacina agora ou esperar?

    • Dra. Kelly Marques Oliveira - Pediatra 07/08/2018 Reply

      Olá bom dia Sra Andressa, segue a recomendação do seu medico, assim que o mesmo autorizar a você pode dar a vacina.
      um bj
      Dra Kelly

  • Nathalia Costa Barros Leonhardt 22/08/2018 Reply

    Olá Dra Kelly,
    Minha filha foi diagnosticada com tosse coqueluchoide após 3 semanas de muitas idas e vindas de hospitais e consultorios… Está no quinto dia do antibiótico Klaricid (houve a interrupção de uma dose no 3 dia, poishavia vomitado).. Porem, não estamos percebendo melhora nas tosses…A impressão é que o número de crises está aumentando, porém numa intensidade um pouco diminuida… Isso é normal? Essa impressao, mesmo que ela esteja fazendo tratamento com Antibiótico, é normal?! Ou ela já teria que estar sem.tosse e sem falta de ar? Obrigada pela atenção
    Bjs

    • Dra. Kelly Marques Oliveira - Pediatra 22/08/2018 Reply

      olá Nathalia boa tarde, Imagino o quanto sua dúvida é angustiante, afinal, nossos Pequenos são nossos maiores tesouros… Infelizmente, o Conselho Federal de Medicina não me permite dar condutas pela internet, pois além de não ser correto, cada paciente é único e é necessário uma avaliação completa para entender o que está acontecendo, e atender com todo carinho e atenção que eles merecem.
      Entre em contato para agendar sua consulta, só ligar no número (11) 5579-9090 ou via whatsapp (11) 93014-0007
      Um bjo

      Dra Kelly

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Faixa