urso

Amamentação: o complemento é o vilão? O problema da confusão de bicos

 AdobeStock_86539422.jpeg

Antes que venham protestos, já começo dizendo que não vim aqui falar mal das fórmulas infantis. Também não se trata de falar bem, é claro. E longe de mim culpabilizar as mães por darem complemento, seja por qualquer razão. O que quero com esse post é principalmente esclarecer uma questão bem obscura. Sabemos que não é raro, a mãe já sair da maternidade com a prescrição de fórmula e com uma baita insegurança em relação à sua capacidade de amamentar seu bebê. Que muitos pediatras a prescrevem, a torto e a direito, sem nem pensar no aspecto da amamentação, ou ao menos alertar que isso pode levar ao desmame precoce.

Não se trata do complemento ser o vilão, mas sim a forma como o utilizamos, e suas indicações errôneas que levam a um possível desmame precoce ou à dificuldades de amamentação.

Antes de mais nada, precisamos pensar qual a melhor forma de um bebê mamar: Em primeiríssimo lugar, o ideal é o bebê mamar no peito, leite materno direto a fonte. Em segundo lugar, o bebê pode tomar leite materno ordenhado, seja porque a mãe está voltando ao trabalho, ou o bebê tem alguma dificuldade de sucção, ou tem ficado agitado no peito, e seria interessante complementar com o próprio leite ordenhado pela sonda de relactação (se mamãe estiver presente). Em terceiro e quarto lugar, ficam o uso da colher dosadora e do copinho, para oferecer o leite materno ou fórmula. E sim, por último lugar, a temível mamadeira. E sim, temível porque ela pode levar à famosa confusão de bicos…e levar ao desmame precoce (artigos de referência no final).

O leite materno materno é preferível à fórmula, ainda que tenha sido congelado, pasteurizado etc. Leite materno sempre será leite materno. Mas a confusão de bicos pode ocorrer com a mamadeira independente se for leite materno ou fórmula o conteúdo da mesma, pois estamos falando de fluxo!

O uso de bicos artificiais pode levar à confusão de bicos 

A confusão de bicos é uma causa comum de desmame precoce. Apesar de assim ser chamada, não me parece muito adequada, pois na verdade o que ocorre é que o bebê sabe exatamente sua preferência, e não está exatamente confuso sobre isso…

Isso ocorre em grande parte devido à forma como o bebê mama no peito e como o bebê mama na mamadeira. Na mamadeira, por menor furo que seja, o leite pinga na boca do bebê com um esforço mínimo e fluxo constante. Não há necessidade de esperar por um fluxo maior, nem fazer o movimento de ordenha e pressão negativa que ocorre quando o bebê mama no peito. O bebê que mama na mamadeira ainda utiliza os músculos ao redor da boca, e pouco a lingua em si. O movimento usado é em “pistão”.

Os bebês de fato são muito inteligentes e muitos irão preferir esse fluxo contínuo que a mamadeira oferece em detrimento do peito, e aí está o perigo, pois a mamadeira é mais fácil. Algumas vezes basta uma mamadeira para o bebê perceber isso. Às vezes é preciso maior exposição, mas quando nos damos conta, estamos oferecendo mais mamadeira ao bebê do que peito.

Ainda assim, mesmo que o bebê aparentemente não apresente confusão de bico, e continue mamando no peito, a longo prazo a produção de leite da mãe cai, pois não há o estímulo suficiente de sucção. Basta pensar que enquanto o bebê mama na mamadeira, ele não está sugando o peito, e portanto, não está estimulando!

Além disso, por mais que você ordenhe o leite e ofereça ao bebê para “garantir” a produção, nenhuma bomba de tirar leite é igual à sucção do bebê no peito!

Veja abaixo alguns sinais de confusão de bico

  • Pega errada, que faz com que os mamilos fiquem machucados – Precisa pensar em língua presa!
  • Agitação no peito (Ei, mãe, quero mis rápido, mais fluxo!)
  • Não pára os braços e pernas (“Por que não há leite derramando na minha boca???”)
  • Afasta o peito com as mãos (“Eu estou saindo para dar uma olhada no movimento”)
  • Pega e solta, pega e solta o peito
  • Chora e vira a cabeça
  • Dá gritos e recusa completa para pegar o peito

Encontre a causa do problema e não tape o sol com a peneira!!!

Se o bebê parece irritado no peito, agitado, pouco ganho de peso, você está com os mamilos machucados, procure um especialista que possa ajudar! Dentre tantas outras causas, pode ser somente um ajuste na pega e posição corretas no peito, a língua presa do bebê e tantos outros fatores…Fato é que dar complemento não trará a solução! O complemento é uma “solução” transitória, que pode piorar ainda mais as coisas…

Será que a fórmula é o problema? 

Em relação às fórmulas, posso dizer que hoje temos fórmulas seguras no mercado, que não trazem risco de vida ao bebê, o que uma vez já ocorreu. Elas seguem um código de segurança extremamente rígido, chamado Codex Alimentaris, um Manual que determina exatamente a composição das fórmulas infantis. Sabemos que nutrem o bebê e são seguras para o seu desenvolvimento, na impossibilidade do aleitamento materno, porém nunca serão substitutos à altura do leite materno.

Por fim, mamães, tentem pensar comigo: considero o complemento como uma medicação qualquer. Sim! Exatamente isso! O complemento se trata simplesmente de uma medida interventiva, para utilizar por um período limitado de tempo, para algumas vezes ajudar a amamentação (apesar de poder atrapalhar muito também, como vimos). E serve exatamente para isso: complementar o leite materno. Dessa forma, deve-se usar com o máximo de critério e indicação precisa, para que não haja problemas, certo?

Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga também no Facebook (ative o “ver primeiro”, para receber aviso dos posts novos) e Instagram (@pediatriadescomplicada, clique no canto superior direito “ativar notificações de publicação”).

Dra Kelly Marques Oliveira

CRM 145039

Consultório particular em São Paulo: (11) 5088-6699/ Whatsapp (11) 93014-0007

Referências Bibliográficas

4 Comments

  • Aline 28/10/2016 Reply

    Dra Kelly.
    Queria que vc tivesse em BH para poder agendar uma consulta!
    Tenho passado por um longo dilema, desde que minha bebê nasceu. O parto foi normal e só a partir do quinto dia meu leite começou a descer. Nesse intervalo eu dava o peito e minha pequena continuava chorando de fome. Optamos por complementar com o copinho. 10 dias se passaram e minha pequena ficou 2 dias sem pegar no meu peito, só queria o copo. Fui ao Banco de leite da cidade e me indicaram fazer a relactação. Faço uso da relactação com fórmula, pois ao tentar ordenhar sai pouco leite, na verdade sempre saiu pouco leite, mesmo com a sucção. Eu queria que ela pegasse só o peito, mas ela não aceita. Ela começa sugando o peito, depois chora, aí tenho que colocar a sonda. Será que meu caso ainda tem solução? Ela faz 3 meses dia 8/11.
    O problema não é a pega, pois no banco de leite conferiram. Às vezes eu faço uso da mamadeira, pois é complicado fazer a relactação fora de casa, minha bebê muitas vezes fica bastante agitada ao mamar. Vc indica algum profissional de Belo Horizonte?

    • Oi querida, não conheço ninguém em bh …mas procure um banco de leite, tente a relactação e não desiste! Mesmo que não seja exclusivo a sua bebê está mamando, e isso eh ótimo!

  • Pingback: Amamentar: um direito ou uma escolha? – Parte 1 | pediatria descomplicada

  • Roberta Vasconcellos 24/12/2016 Reply

    Dra. Kelly,
    Minha bebê está com 10 meses, tendo mamado exclusivamente no peito até o 7o mês (experiência maravilhosa e deu certo), quando iniciamos a introdução alimentar, que no caso dela só aceitou BLW (ela é muito independente).
    Por volta do 8o mês meu estoque leite materno já estava praticamente a zero, portanto, a partir daí, quando me ausentava para trabalhar fora de casa por um período de tempo, se não era hora da comida, dávamos 1 mamadeira de fórmula.
    Ela segue a mamar durante a manhã (até as 10:30), um pouquinho a tarde se estou em casa, e a noite e madrugada. Entretanto, a noite, antes dela ir dormir, quando tenho um dia estressante, meu leite não parece ser suficiente e eu acabo dando outra mamadeira de fórmula por indicação da pediatra.
    Meu dilema é o seguinte: a partir de Janeiro minha bebê já estará com 11 meses e devo voltar a trabalhar período quase integral (em torno de umas 7 horas) e gostaria de saber o que seria o ideal em termos de horários para seguir mantendo a amamentação por bem mais tempo. Gostaria ainda que comentasse a questão da fórmula neste contexto, pois não veja outra alternativa senão complementar com a fórmula.
    Muito Obrigada e lindas festas!

Deixe uma resposta