urso

Guia de segurança para a Cama Compartilhada

  Que muitas famílias fazem cama compartilhada, voluntária ou involutariamente, é fato inegável. Mesmo que alguns pais fiquem relutantes, é extremamente comum que em algum momento o bebê acaba indo para a cama dos pais e durma junto com eles. Seja por opção da família ou por necessidade, como um bebê doente ou que está acordando bastante para mamar, é importantíssimo saber qual a forma SEGURA do bebê dormir na Cama Compartilhada.

Vamos entender um pouco como fazer a cama compartilhada de forma segura para toda a família e acabar com alguns tabus.

Esse texto foi baseado nas referências ao final, e segue principamente o Guideline do Dr James McKenna sobre cama compartilhada (cosleeping).

 

safe_co_sleeping_sketch

O que significa um ambiente seguro de sono pro bebê?

Antes mesmo do bebê nascer existem alguns fatores de risco que influenciam a segurança do sono do bebê, e uma delas importantíssima é a exposição ao cigarro. A mãe que fuma, ou convive num ambiente com exposição ao cigarro,tem um maior risco para ocorrência de morte súbita no bebê.

Um segundo fator que tem forte influência na segurança do sono do bebè é a amamentação. A amamentação protege significativamente a criança do risco de morte por SIDS (Síndrome da Morte Súbita do Lactente), além de tantos outros benefícios.

Recomendações de segurança para Cama Compartilhada Segura 

Independente se o bebê dorme na mesma cama dos pais, ou num berço anexo, no berço separado, ou no bebê-conforto, seja no mesmo quarto dos pais ou em outro quarto, algumas recomendações valem para todos:

Veja também o ambiente do quarto seguro.

  • Bebês devem dormir sempre de barriga para cima. (veja os posts sobre o assunto: Qual posição o bebê deve dormir?, Porque os bebês devem dormir de barriga para cima)
  • A superfície deve ser firme, sem muitas almofadas, sem protetores de berço, sem vãos ou lugares possíveis de sufocamento
  • O ambiente deve ser livre de cigarro (pai e mãe nunca devem fumar no local onde o bebê dorme)
  • O cobertor deve ser confortável, e a cabeça do bebê não pode ser coberta
  • A cama não deve ter animais de pelúcia ou travesseiros ao redor do bebê
  • Não se deve usar travesseiros para o bebê que possam sufocá-lo
  • Colchões muito macios de pele de carneiro ou material muito macio, tipo “puff” ou “beangag” nunca deve ser usado com crianças
  • Conchões de água também são perigosos
  • Não deve haver um vão, lacunas ou espaços onde o bebê pode cair, ficar preso ou sufocar
  • Bebês nunca devem dormir em sofás, ou sofás com ou sem adultos, pois  podem deslizar  para a fenda do sofá, e podem sufocar
  • Cama compartilhada: Esteja ciente que as camas de adultos NÃO foram desenhadas para assegurar a segurança de crianças!
  • É importante perceber que as condições físicas e sociais sob as quais a cama compartilhada entre pais e a criança acontecem, nas mais diversas formas, pode e irá determinar os riscos ou benefícios deste comportamento. O que se passa na cama é o que importa.
  • Bebês que não mamam no peito, ou seja, bebês que tomam unicamente fórmula, devem dormir ao lado da mãe (num cosleeper) em uma superfície separada e não na cama.
  • Se for cama compartilhada, ambos os pais devem concordar e se sentir confortáveis com a decisão. Pai e mãe devem concordar que ele ou ela é igualmente responsável para a criança e saber antes de dormir que eles estão cientes de que a criança está presente no espaço de cama.
  • Não coloque uma criança na cama com um adulto que não está ciente de que a criança está na cama com ele. Os pais devem pensar em si mesmos como cuidadores primários.
  • Bebês abaixo de um ano não devem dormir com outros irmãos ou idosos, mas sempre com uma pessoa que pode assumir a responsabilidade daquela criança estar na cama.
  • Pessoas que tomam sedativos, medicamentos ou drogas, ou bebida alcóolica, ou de outra forma incapaz de despertar facilmente de sono não deve fazer cama compartilhada a criança.
  • Cabelos muito longos devem ser amarrados para evitar que fiquem presos em volta do pescoço da criança, numa trança por exemplo. Se você não é a “mamãe Rapunzel” não há problema.
  • Pessoas muito obesas podem ter dificuldade de abraçar a criança ao redor do seu corpo, e podem ter o bebê perto, mas é aconselhável que seja num berço anexo ou cosleeper.

Mas e o medo da Síndrome da morte súbita do lactente?

A orientação para uma cama compartilhada segura é justamente para isso, para evitar que o bebê tenha risco de acontecer a SIDS, se realizado a cama compartilhada. Compartilhar a mesma cama com o bebê pode ser um alívio e reconfortante para os pais e pro bebê, mas você deve fazê-lo com segurança. Considerar compartilhar o mesmo ambiente, num berço anexo ou cosleeper pode ser uma melhor forma de adaptação se vocês não se sentem seguros em relação à cama compartilhada, ou se a qualidade de sono de todos, ou de algum membro da família (pai, mãe ou bebê) fica prejudicada.

Se feito de forma segura, não há maiores riscos, no entanto não significa que não pode acontecer (é improvável). Isso não significa que a cama compartilhada é fator de risco para morte súbita. Isso pode ocorrer num ambiente solitário do berço, também.

Qual a melhor forma então, do bebê dormir? 

A família deve levar em conta o que é melhor pra todos sempre. Existe uma recomendação do que é seguro e correto, seja cama compartilhada, berço anexo, ou berço separado. Os pais devem decidir dentro do contexto familiar o que é melhor pra todos. É importante considerar todas as possibilidades, ter a informação de como fazer de forma correta e aplicar no seu contexto familiar!

Espero que tenham gostado e tenha ajudado a esclarecer esse tema!

Veja outros posts sobre sono do bebê aqui:

Um bjo

Dra Kelly Marques Oliveira

CRM 145039

Consultório particular em São Paulo: (11) 5088-6699

Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga também no Facebook (ative o “ver primeiro”, para receber aviso dos posts novos) e Instagram (@pediatriadescomplicada, ative o “receber notificações”).

Referências bibliográficas

3 Comments

  • Débora Freire 06/09/2016 Reply

    Boa tarde, Dra Kelly!

    Meu bebê tem 5 meses, dorme super bem a noite (geralmente das 20:00-20:30 às 5:30-6:00), mas durante o dia só dorme se estiver no meu colo (próximo ao peito). Estou aflita porque vou voltar a trabalhar (ainda em dezembro) mas gostaria que ele dormisse no berço. Tento várias vezes ao dia colocá-lo no berço, mas ele acorda e não dorme mais. Isso só acontece durante o dia. Ele está tomando camomilina C por causa dos sintomas dos dentes. A senhora pode me ajudar com alguma dica, algum conselho? Muitíssimo obrigada!

  • Pingback: Sono seguro do bebê: novas recomendações – parte 2 | pediatria descomplicada

Deixe uma resposta