urso

Conheça o BLW: método propõe deixar a papinha de lado na alimentação do bebê

 

AdobeStock_83693437.jpeg

Olá gente querida, muita gente me pergunta sobre o tal do método BLW, ou Baby-led-weaning de introdução alimentar. Saiu uma matéria no site www.delas.ig.com.br na qual dou uma entrevista sobre o método e achei legal compartilhar com vocês aqui. Sei que ainda existem inúmeras dúvidas sobre o assunto, por isso, deixem nos comentários o que vocês gostariam de saber!

Segue a matéria na íntegra abaixo!

O método propõe introdução dos alimentos inteiros para o bebê explorar todos os sentidos enquanto come

Ter um filho tem várias etapas difíceis, que vão desde o nascimento até a vida adulta. Uma dessas fases é a introdução alimentar. Quando a criança completa seis meses, chega a hora de introduzir alimentos no cardápio do bebê – que, até então, era composto apenas pelo leite materno.

O jeito tradicional é começar com frutinhas amassadas, papinhas batidas e suquinhos, mas um outro método que surgiu a há algum tempo prega que a introdução dos alimentos seja feita de forma mais natural. Como? A ideia é oferecer as frutas, legumes e até carnes separadamente e em seu formato natural, deixando que a criança inicie a alimentação sozinha.

O método chama-se BLW, a sigla para o termo em inglês baby led weaning, que significa desmame guiado pelo bebê, em português. Mas a pediatra Kelly Oliveira afirma que, apesar do nome, o método não indica que a mãe pare de amamentar: “A criança vai passar a comer gradualmente os alimentos e mamar menos, mas, em menores de 1 ano, o leite ainda é o principal alimento”.

No BLW o bebê se autoalimenta, descobre por ele mesmo como segurar o alimento, com levar à boca e a deglutição”, explica a pediatra, que ainda ressalta que essa forma de introdução alimentar explora todos os sentidos do pequeno.

blw, baby led weaning, pediatria descomplicada, introdução alimentar

Na prática

Caroline Trugillo é mãe de Valentina, de 1 ano e 10 meses, e Raphael, que acabou de completar seis meses. Caroline ouviu falar sobre o BLW no fim da gestação e decidiu pesquisar: “Li bastante a respeito e adorei”, conta.

Ansiosa para testar o método com a filha Valentina, a mamãe começou um dia antes que a pequena completasse seis meses: “Na primeira refeição, cozinhei uma cenourinha, mas errei no ponto e estava meio dura. Ela ficou chupando, mas não comeu. Então, dei uma banana inteira na mão dela e ela comeu todinha. Fiquei surpresa!”. Aos 10 meses, valentina já comia o cardápio da família e, agora, só falta aprender a comer com faca, pois garfo e colher já acompanham o prato dela.

Valentina começou a comer logo depois de ter sido apresentada aos alimentos, mas Dra . Kelly alerta que nem sempre isso acontece: “Cada bebê tem seu ritmo. Às vezes, no começo, pode não comer nada, mas em algum momento vai começar, é preciso respeitar esse ritmo”.

Além da paciência com o tempo que o bebê vai demorar para de fato comer  – e parar de apenas interagir com a comida – é preciso não se importar com a bagunça que a criança vai fazer. Ele vai se sujar e provavelmente sujar o lugar em que está.

Os pais têm muitas dúvidas sobre o método e, para esclarecer, perguntamos para a pediatra Kelly Oliveira, que recomenda o auxílio de um pediatra antes de começar o método. Segundo ela, um especialista vai ajudar com as possíveis dúvidas que surgirem.

blw, baby led weaning, pediatria descomplicada, introdução alimentar

A criança está preparada para começar a comer alimentos inteiros aos seis meses?

De acordo com as últimas orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a alimentação complementar ao leite deve ser introduzida a partir dos seis meses de idade. “Com essa idade a criança consegue sentar sozinha, tem controle do tronco, pega os objetos com a mão e leva à boca, começa a mastigação e perde o reflexo de protusão da língua – colocar a língua para fora quando em contato com alimento”, explica a Dra. Kelly, que também alerta que essas habilidades podem ser adquiridas um pouco antes ou um pouco depois por cada criança.

Com a coordenação nesse nível, o bebê já está pronto para interagir com os alimentos inteiros, e passar a comer depois de algumas tentativas

O bebê pode engasgar?

Alguns confundem o engasgo com o “gag reflex”, um reflexo natural da criança. “O gag reflex é uma defesa, não é engasgo. A criança tem uma ânsia quando o alimento atinge a base da língua, então, o bebê volta o alimento para a boca, ou joga para fora”, esclarece a pediatra. No bebê, esse reflexo está exacerbado e diminui com o tempo. Já o engasgo é quando o alimento vai para o local de passagem de ar: “Se tem orientação correta, não tem risco maior de engasgo do que com a papinha. É raríssimo”, diz Kelly.

(um observação minha aqui que não está no post: procurem e treinem a Manobra de Heimlich em bebês. Você encontra muito material confiável também no site www.tanahoradopapa.com, da querida Aline!)

Que alimentos posso oferecer?

Todos os alimentos naturais, que iriam na papinha do bebê, estão liberados. Mas deve haver acompanhamento atento para verificar se o bebê é alérgico ao alimento oferecido.

Como fazer a transição de comer com a mão para o prato com garfo e faca?

A transição deve acontecer de forma natural e tranquila e o segredo é oferecer cedo, de acordo com a pediatra, aos nove ou dez meses, já é possível entregar a colher ou garfinho para a criança. “Basta a gente dar a oportunidade para que ela surpreenda a gente. Ela vai ver os pais comerem com talheres e começa a comer também”, diz a pediatra.

blw, baby led weaning, pediatria descomplicada, introdução alimentar

Espero que tenham gostado gente! Vou escrever mais pra vocês depois!

Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga também no Facebook (ative o “ver primeiro”, para receber aviso dos posts novos) e Instagram (@pediatriadescomplicada, ative o “receber notificações”).

Dra Kelly Marques Oliveira

CRM 145039

Consultório particular em São Paulo: (11) 5088-6699/ Whatsapp (11) 93014-0007

Imagens: arquivo pessoal. Fotos autorizadas pelos responsáveis.

9 Comments

  • Fernanda 03/06/2016 Reply

    Dra bom dia.
    Minha dúvida é em relação à mastigação do bebê. Ao entregar um alimento inteiro, ele tem que mastigar o alimento para engolir e não machucar e para que a digestão correta aconteça.
    Neste caso em que os bebês ainda não têm dentes, como funciona exatamente? Sou leiga nisso.
    Por exemplo, como o bebê encara uma couve flor?

    • Krystal 12/06/2016 Reply

      Oi, Fernanda! Apliquei o método com a minha filha e começamos quando ela tinha 6 meses e 2 dentinhos apenas. Se você amamenta seu bebê, já deve ter percebido que ele não precisa de dentinhos para morder e machucar rs O bebê desde pequeno já tem muita força na mandíbula e sua gengiva é como uma serrinha. Fazendo os movimentos corretos de mastigação, os quais ele treina com a sucção, ele consegue lidar com a maioria dos alimentos, sem maiores problemas. No início, no entanto, é importante deixá-los numa consistência que torne mais fácil para ele triturar e engolir os alimentos, nem muito dura, nem muito molinha. A maçã, por exemplo, é uma fruta mais durinha e por isso deve ser oferecida cozida ou ao vapor até que o bebê esteja mais experiente na arte de comer rs Também devemos nos atentar ao tamanho dos alimentos oferecidos, que nunca podem ser do tamanho de uma uva, por exemplo, pois o bebê pode acabar engolindo e sufocando, já que pode entalar na garganta. O ideal é que o alimento seja, no início, consistente e grande o bastante para o bebê conseguir pegar com a mão e mole o bastante para ele conseguir arrancar um pedaço pequeno que ele possa triturar e engolir. Com o tempo isso vai se ajustando conforme as necessidades e desenvolvimento do bebê. Um grande beijo!

  • Pingback: Conheça o BLW: método propõe deixar a papinha de lado na alimentação do bebê – issoesustentabilidade

  • Lícia Oliveira 15/06/2016 Reply

    Parece muito interessante. No entanto, não terei disponibilidade durante o dia para propiciar acompanhar meu filho neste processo. Será possível tentar aí da assim o método?! Voltarei a trabalhar com sete meses do meu pequeno. Será que tento o método ou penso que posso intercalar com a Papinha, já que não ele não terá mais acesso ao peito durante o dia. Você tem alguma sugestão?! Grata!

  • Adriana 15/06/2016 Reply

    Sou a favor de respeitar cada fase da criança porém é importante deixa lá se desenvolver sozinha em alguns momentos! Mas não concordo em colocar alimentos assim de forma (jogada ) tipo esse macarrão aí na bandeja do cadeirão, afffff podia estar em um pratinho plástico todo colorido né! Incentivaria muito mais…Fica dica.

    • Marina 26/06/2016 Reply

      Não foi só eu q se incomodou com a comida no cadeirão. Me desculpem mas parece lavagem de porco. Não custava por num pratinho.
      Adorei o método, vou tentar com o meu pequeno. ????????

  • Poliana Favoreto de Oliveira 27/06/2016 Reply

    Dr meu bebê está com 6 meses e 20 dias ainda não senta. Eu fique conhecendo esse método agora é não tenho muitas informações. Ele hoje toma suco uma vez por dia. Eu queria muito fazer a introdução alimentar dele com esse método pois com o meu primeiro filho não tive sucesso nenhum com a alimentação dele ( está com 2 anos e 6 meses come so macarrão nas refeições e complemento com frutas ). Posso começar colocando as frutas picadinhas para ele é depois introduzir o almoço? Como posso estar fazendo? Desde já muito grata.

  • Pingback: O bebê não engasga? Introdução alimentar, BLW e engasgo | pediatria descomplicada

  • Pingback: Curso avançado em BLW  | pediatria descomplicada

Deixe uma resposta