urso

Uma abordagem diferente: não olhe para números na amamentação, olhe para o bebê!

amamentacao, pediatria descomplicada, dra kelly oliveira, pediatra sao paulo
No post anterior escrevi sobre como saber se o bebê está mamando bem. Muitas vezes o bebê fica o dia inteiro no peito, mas está passando fome, pois na verdade não está retirando nada de leite do peito! 

Para entender isso, veja o post no link: Como saber se o bebê está mamando bem.

Veja também o post sobre a pega e posicionamento corretos no peito.

Sabemos que a maior preocupação da mamães é: meu bebê está ganhando peso suficiente?  Hoje gostaria de propor uma abordagem diferente. Não que o ganho de peso não é importante, ele é. É um dos parâmetros de avaliação do pediatra. Mas o que destaco aqui é muitas vezes o ganho de peso do bebê está normal quando pensamos que NÃO é satisfatório ( ou o pediatra fala que é pouco!) 

Primeiro, veja se o seu pediatra segue a curva mais atualizada da OMS de 2006, em que foi feito um grande estudo multicêntrico entre bebês saudáveis em diferentes continentes, e o mais importante: bebês que foram amamentados no peito. As curvas anteriores (NCHS, CDC) foram baseadas em bebês amamentados com fórmulas, o que não reflete a realidade. Percebeu-se que o grande erro dessa curva antiga era que esses bebês tinham maior peso para idade e IMC, porém com maior risco de obesidade no futuro!
Bebês seguem a sua própria curva de crescimento! Curvas nada mais são que um parâmetro para se ter uma idéia da população em geral, mas não é uma regra. Existem bebês no percentil 3, e isso significa que 3% da população mundial segue esse parametro! (O que não é pouco…nem anormal ou baixo peso…)
Hoje sabemos que bebês amamentados no peito são, via de regra, mais magros que bebês amamentados com fórmula, e isso é completamente normal! Sabemos também que o aleitamento materno é um fator de proteção contra doenças como obesidade, diabetes, hipertensão, dislipidemia e alergias como asma e rinite no futuro! 

Lembre-se:

  • 10% (ou qualquer) perda de peso não é igual a suplementação. Além de ocorrerem variações entre balanças de marcas diferentes, e diferenças de balanças entre consultórios, olhe primeiro para o binômio mamãe e bebê! Avalie a amamentação! O bebê suga e engole? O bebê somente suga e não engole nada, pois não retira leite nenhum? O bebê suga e chora, suga e fica agitado, suga e dorme? (Isso significa que há necessidade de ajuda, não necessariamente de suplementação! Isso significa que pode haver necessidade de suplementação, não necessariamente por mamadeira!!!).
  • Não olhe para o relógio. Qualquer tempo relacionado às mamadas não significa nada, quando o mais importante é avaliar a qualidade dessas mamadas!
  • Não limite o horário das mamadas. Essa história de que “o bebê tem que se alimentar a cada 3 horas” (ou qualquer outro intervalo de horas) não significa nada!
  • Só porque o bebê está sugando o peito, não significa que está conseguindo retirar leite efetivamente!
  • Colocar o bebê para mamar em um lado e só quando terminar o lado e esvaziar o peito colocar no outro não faz sentido, nem colocar para mamar de um lado só. Se o bebê não está efetivamente mamando no peito, o bebê não está recebendo o tão falado leite posterior. Ofereça sempre os dois, e pode trocar mais de uma vez durante a mamada, caso o bebê comece a chorar e ficar agitado durante a amamentação. Se ele não quiser mamar o outro lado, não insista, mas faça esse exercício.
  • Oferecer o último lado em que foi amamentado para pegar o leite posterior também não é matemático. A gordura aumenta proporcionalmente durante a mamada.O que acontece quando o peito está mais cheio é que a proporção de gordura é menor, do que quando não está tão cheio (a gordura tem maior participação no leite nesses casos. Isso significa que mesmo em mamães em que a produção de leite não é tão grande os bebês vão receber o leite rico em gordura também, necessária ao ganho de peso!
  1. Na maternidade, a maioria das mulheres recebe grande quantidade de líquidos intravenosos (devido ao jejum prolongado), e dessa forma, uma parte desses líquidos são transferidos para o bebê, que nasce edemaciado. Quando a criança nasce, começa e eliminar esses líquidos e retorna ao seu estado de hidratação normal. Assim, a perda de peso do bebê não é relativa ao seu “peso real”, mas superestimada muitas vezes. É preciso avaliar caso a caso. É preciso individualizar e não generalizar.
    2. Cuidados com as diferenças de balança! Duas balanças diferentes podem ter uma variação de peso da criança, sem ser real! A maioria dos bebês são pesados ao nascimento na sala de parto, e depois na balança da maternidade. Muitas vezes marcas podem levar a alteração de peso significativa. Isso também acontece nos consultórios.
    3. Existe a possibilidade do bebê não estar realmente conseguindo tirar muito leite do peito, ou mesmo quase nada. Isso relaciona-se com milhares de fatores, mas principalmente a uma pega inadequada. Quanto antes intervirmos, melhor será. O pediatra precisa avaliar nos primeiros dias de vida se mamãe e bebê precisarão de ajuda, e não iniciar o complemento e dizer à mãe que ela não é capaz. Existem muitos lugares que oferecem ajuda à amamentação, inclusive sem custo. Mamães, procurem ajuda nos Bancos de Leite Humano da sua cidade ou em um Hospital com Iniciativa Amiga da Criança.

O que o bebê precisa não é de suplemento logo de início, como se fosse algo automático, mas antes de tudo, o bebê e a mãe precisam de ajuda para amamentar e conseguir uma boa pega. Para isso, é necessário muito apoio à amamentação seja por parte da família, do marido, da própria equipe do Hospital e do pediatra, que é fundamental nesse momento. As mães que saem amamentando do hospital com mais confiança têm uma maior chance de manter o aleitamento materno exclusivo por 6 meses.

O complemento só deve ser introduzido após uma avaliação de um especialista em amamentação, com apoio e acompanhamento do pediatra (que apoie a amamentação, por favor!)

Mamães, não desistam! Procurem ajuda e apoio.

Se você tem alguma história para contar, depoimento, compartilhe também! Com certeza tem muitas outras mamães passando por situações semelhantes.

Veja os outros posts (vários que escrevi sobre amamentação, não desista!)

Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga também no Facebook (ative o receber notificações, para receber aviso dos posts novos) e instagram (@pediatriadescomplicada).
Um abraço
Dra. Kelly Oliveira

CRM 145039

Consultório particular em São Paulo: (11) 5088-6699

*As informações dadas aqui não substituem a consulta médica. Se houver dúvida o médico deverá ser consultado.

Referências bibliográficas:

  •  http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-42302013000400017&script=sci_arttext
  • Tratado de pediatria. Sociedade Brasileira de Pediatria, 2014.

photo credit: http://img.webmd.com/dtmcms/live/webmd/consumer_assets/site_images/articles/health_tools/baby_breastfeeding_slideshow/thinkstock_rf_photo_of_baby_breastfeeding.jpg

37 Comments

  • Danieli Ribeiro 04/03/2015 Reply

    Amamentar definitivamente é um ato de amor. Meu filho nasceu com uma alteração nasal e o bico do meu seio era curto. Ele não conseguia se alimentar, pois atrapalhava sua respiração, me orientaram utilizar um bico de silicone que só me causou dor e sofrimento. Com 11 dias de vida o pediatra o avaliou e ele não havia ganhado peso, como ele teve
    icterícia ao nascer o médico disse que ele prrcisava ganhar peso e que deveria
    entrar com a fórmula. Questionei se não
    havia uma forma de conseguir
    amamentá-lo e a resposta que tive desde
    profissional foi a seguinte: “a gravidez
    dura 09 meses se você não preparou as
    mamas neste tempo não posso fazer
    nada.Chorei muito pois não conseguia
    amamentá-lo e sempre tive muita
    produção de leite, além de saber da sua
    importância e todas as técnicas para amamentar, pois sou profissional da aréa da saúde. Entrei com a fórmula e durante
    quase um mês realizei a ordenha do meu
    leite para o meu filho, sempre tentando
    com que ele pegasse o peito. Ouvi as
    pessoas dizerem que ele jamais mamaria
    no peito pois já estava acostunado com a
    mamadeira. Fiz de tudo, até a reserva de
    uma máquina para ordenha pois o meu
    leite estava diminuindo, pois como o
    bebê não sugava não havia estímulo para
    descida do leite. Bem para finalizar quero
    Dizer que sim meu bebê conseguiu finalmente pegar o peito após esse período, que eu jamais desisti, e que persistência e paciência são primordiais para uma boa amamentação. E que amamentar é algo único, é um vínculo reafirmado pelo filho a cada mamada.

    • Oi querida mamãe Daniela. Li toda sua história e agradeço por compartilhar aqui. Isso ajuda e inspira as mamães que passam pelas mesmas dificuldades e dúvidas que você teve. Continue acompanhando as novidades por aqui! Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga também no Facebook (ative o receber notificações, para receber aviso dos posts novos) e instagram (@pediatriadescomplicada) Um bjo, Dra Kelly

  • erika 04/03/2015 Reply

    Eu passei por isso não tive apoio e tbm não fui bem orientada e acabei entrando com leite artificial. Meu bebê tem apenas três meses, estou tentando a relactação mais está um pouco dificil, pena não ter achado estas informações antes, me sinto péssima por não amamentar meu bebê exclusivamente no peito.

    • Olá querida mamaãe Erika. Antes de tudo, por favor não se culpe nem se sinta mal por tudo isso. Se tem alguém que não tem culpa nisso tudo é você. Queremos o melhor para nossos filhos, damos a vida por eles. O que você precisa fazer agora é procurar ajuda de quem realmente irá ajudá-la e apoio. A relactação é bem possível sim! Se precisar de ajuda profissional e especializada, atendo em consultório em São Paulo, telefone (11) 5088-6699. Continue acompanhando as novidades por aqui! Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga também no Facebook (ative o receber notificações, para receber aviso dos posts novos) e instagram (@pediatriadescomplicada) Um bjo, Dra Kelly

  • Fernanda 04/03/2015 Reply

    Que post mais maravilhoso! Como eu sofri p amamentar! Chorei rios! Quando a Letícia foi ao pediatra aos 4 meses, a médica constatou q ela ñ estava ganhando peso suficiente (segundo o percentil esperado), pediu exame de urina para ver se ñ era infecção: negativo! A Lelê dormia a noite toda, mamava até largar o peito, criança ativa, sorridente, crescendo em estatura… A dra. Mandou dar a formula: chorei! Meu coração ñ estava em paz, tentei dar no copinho, após ela mamar em mim, mas a Lê cuspia, chorava, ñ queria de jeito nenhum. Não insisti, joguei a lata fora e continuei amamentando. Retornamos à médica e o peso ñ estava igual da tabelinha: a dra pediu para iniciar o suco e a fruta: ignorei, continuei só amamentando. Procurei me acalmar, dormir mais, tomava 6litros de agua por dia! Comia bem e pedia a Deus paz na minha decisão. Introduzi o alimento sólido aos 6 meses, a Lelê fará 1 ano daqui 17 dias e ainda mama no peito! O que mais me entristece é a falta de informação, a má orientação dos pediatras, nós, mães, estamos vulneráveis, com medo de fazer algo errado e corremos o risco de ceder à essas orientações. Procurei banco de leite, aluguei bomba elétrica p estimular a produção, tomei tintura de algodoeiro, tudo para continuar dando o melhor p minha filha! Dra.Kelly, vc tem toda razão quando diz que precisamos de ajuda! Parabéns pelo post! Que Deus te abençoe!

    • Olá querida Feranda. Obrigada por contar sua história aqui, como é importante as mamães saberem e terem conhecimento de causa para entender o que está acontecendo com o seu filho. Como é importante procurarmos orientação no lugar correto. Nesse caso, os banco de leite humano são muito úteis para encontrar informação de ouro relativo à amamentação. Por favor continue participando aqui! Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga também no Facebook (ative o receber notificações, para receber aviso dos posts novos) e instagram (@pediatriadescomplicada) Um bjo, Dra Kelly

  • Raquel 09/03/2015 Reply

    Olá Dra Kelly. Obrigada pelo post! Para mim é uma enorme novidade não ser necessário esvaziar completamente um peito antes de dar o outro! Assim, isso resolveria um dos meus principais problemas que é ficar com um dos peitos tão cheio ao ponto de inibir a produção de leite nos dias seguintes. No entanto, nunca dou leite artificial. Se minha bebé quiser mamar a toda a hora, deixo mamar. Será que dando sempre os dois lados não terei variações tão abruptas na produção de leite?

    • Olá querida Raquel, isso é algo super “tabu” e mito hoje, e muitas vezes trocamos o lado, pois assim ajuda a esvaziar a outra mama que está tão cheia. Se você tem tanto leite, seria até interessante se pudesse doar, pois isso pode salvar vidas. Procure o banco de leite próximo da sua cidade para informações! Uma coisa que você pode fazer também é retirar um pouco de leite antes de colocar seu filho no peito, pois muito cheio também é difícil para ele extrair o leite. Continue acompanhando as novidades por aqui! Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga também no Facebook (ative o receber notificações, para receber aviso dos posts novos) e instagram (@pediatriadescomplicada) Um bjo, Dra Kelly

  • Pingback: Como retirar o leite materno | pediatria descomplicada

  • Renata 25/03/2015 Reply

    Tenho uma bebê de 1 ano e meio e ela ainda mama intensamente!!! Não se alimenta bem como eu penso que seria o ideal pra ela! Qual a melhor forma de tirar o peito???
    Obrigada

    • Olá querida Renata, isso acontece e é super normal. A amamentação é recomendada até os 2 anos de idade ou mais, e não há porque ter pressa. Geralmente as crianças não vivem para comer, mas comem para viver, e se seu filho come pouco você tem que avaliar com o pediatra se é pouco mesmo, e se há uma real necessidade dele comer mais. Se precisar de acompanhamento profissional, atendo em consultório particular em São Paulo, para marcar consulta você pode ligar para (11) 5088-6699. Continue acompanhando as novidades por aqui! Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga também no Facebook (ative o receber notificações, para receber aviso dos posts novos) e instagram (@pediatriadescomplicada) Um bjo, Dra Kelly

  • Larissa 07/04/2015 Reply

    Parabéns pelas postagens, são ótimas. Tenho um bebê de 40 dias e muitas dúvidas sobre a amamentação, tenho dúvidas se a pega está correta, se ele está conseguindo sugar de fato o leite. Ele quase sempre dorme mamando, mama pouco e em um peito só. As vezes durante a mamada fica super agitado, e engole mais ar do que mama. Sinto que meu leite diminuiu muito desde o nascimento e não sei se é o suficiente … Amamentar é lindo, importante e essencial, mas é também bem difícil e cheio de detalhes !!!

    • Querida mamãe Larissa, essa fase é essencial para o estabelecimento da amamentação, por isso é imoprtante que vc tenha um profissional capacitado para te orientar nesse momento, e um pediatra que apoie a amamentação de verdade! Se precisar de acompanhamento profissional, atendo em consultório particular em São Paulo, para marcar consulta você pode ligar para (11) 5088-6699. Continue acompanhando as novidades por aqui! Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga também no Facebook (ative o receber notificações, para receber aviso dos posts novos) e instagram (@pediatriadescomplicada) Um bjo, Dra Kelly

  • Thalita 07/04/2015 Reply

    Na primeira semana de vida, meu bebê perdeu peso pois não tinha conseguido a pega correta e por esse motivo meu peito rachou. Sangrava e doía muito. Eu chorava junto com ele a cada mamada. O pai falava dia e noite: vamos dar uma mamadeira para esse menino. E eu jamais aceitei outra opção que não fosse amamentá-lo. Na consulta com uma semana após o nascimento dele, contei que meu seio sangrava e doía demais.O pediatra me sentou e disse que queria ver como ele estava mamando. Me ensinou como segurar o bebê, me mostrou como deveria oferer o peito, como deveriam ficar os lábios do bebê na mama, que tinha machucado porque o bebê estava sugando somente o bico do seio. Enfim me explicou e ensinou em detalhes tudo para que meu filho mamasse bem, meu pediatra não teve pressa na consulta e em momento algum ofereceu nenhum outro tipo de leite. Sai do consultorio muito mais confiante e meu bebê mamando direitinho. Quero destacar aqui o quanto a escolha de um bom pediatra é importante. A mamãe de primeira viajem é muito insegura e confiamos muito no que o médico diz. Meu bebê tem nove meses, sempre ganhou peso e se desenvolveu super bem, mamou exclusivamente o peito até 6 meses, come direitinho frutas, sopinha e não conhece outro leite além do meu. Nunca adoeceu. Amo amamentá-lo. A mamãe que tiver dificuldade não desista, procure ajuda que tudo dá certo e compensa demais.

  • Pingback: Mitos da amamentação: amamentar um lado por vez? | pediatria descomplicada

  • Pingback: Amamentação: leite anterior e leite posterior existe? | pediatria descomplicada

  • Pingback: Amamentação: respostas a algumas dúvidas existenciais! | pediatria descomplicada

  • Pingback: Mais amor, por favor – Humanização na saúde e método canguru | pediatria descomplicada

  • Angélica 23/09/2015 Reply

    Parabéns Kelly pelo seu blog! Excelente texto, claro e confiável! É ao ver médicos com essa postura que valorizamos o profissional! Tenho um bebê de 4 meses, e, apesar da gravidez durar 9 meses não fui bem orientada a respeito da amamentação! Claro que sabia de sua importância e tive recomendação da minha GO para tomar sol nos mamilos, mas jamais, em hipótese alguma as coisas que li chegaram perto ou me prepararam para o que vivi nos primeiros dias de amamentação. Vou deixar o meu comentário para que possa ajudar alguma mamãe que ainda está grávida! Conto com seu julgamento caso eu escreva algo que não é correto cientificamente e também adoraria se ele fosse usado para criação de um post mais completo sobre o que vou falar.

    Ganhei meu neném de parto cesárea pois ele estava em posição pélvica quase encaixando o bumbum no canal, em uma maternidade privada que estava superlotada, isso significou que eu consegui o centro cirúrgico para realizar meu parto e também um apartamento para ficar com meu filho, mas não tive assistência da equipe de enfermagem (que estava sobrecarregada e pq não fiquei na ala do berçário) e nem das pediatras (pq uma médica estava responsável por cerca de 25 bebês recém nascidos, participando de partos e observando os bebês da uti). Dou essas informações para dizer que o tipo de parto em nada tem a ver com a produção de leite e para deixar claro que não tive a assistência que as recém mães tanto precisam nos primeiros dias de vida dos filhos.

    Assim que cheguei ao quarto, uma enfermeira entrou e me ensinou a amamentar. Mostrou como seria a pega correta de maneira bastante rápida, apertou meu peito e disse que havia colostro e que sempre que o bebê chorasse deveria mamar. Parecia super fácil, então, segui à risca! O detalhe é que eu não sabia que meu bebê iria adormecer durante a mamada e nem como deveria fazer para tirá-lo do peito, então, cada vez que ele estava mamando e dormia, eu o puxava do peito, então ele acordava e sugava com força para voltar! Fiz isso por dois dias, achava que ele havia parado e o puxava e na mesma hora ele me sugava com toda força, o que ganhei foi bicos dos seios bem machucados! Precisei da ajuda de uma profissional especializada, um verdadeiro anjo, que me mostrou com paciência como era realmente a pega correta, me explicou que ele iria cansar e adormecer, mas que eu so deveria mexer em seus pezinhos ou cutucar a bochechinha, algo delicado o suficiente para despertá-lo e deixa-lo terminar a mamada, e que caso ele não soltasse a mama e eu precisasse mesmo tirá-lo, em último caso deveria incluir meu dedo mindinho na boca dele para poder liberar o bico do meu seio. Essa profissional e meu esposo foram fundamentais para o sucesso da minha amamentação! Me incentivaram quando eu achei que não aguentaria a dor nos bicos dos seios, me deram forças e me apoiaram e me mostraram que eu seria capaz! Hoje sempre alerto as futuras mamães, parece uma informação boba, mas teria me poupado muito sofrimento se eu soubesse que os bebês dormiam e que tirá-los durante a mamada puxando não é saudável!

    Outro ponto que queria ressaltar é a respeito da inserção do complemento. Como disse, o hospital que ganhei bebê estava superlotado, e as enfermeiras que davam os complementos estavam apressadas, tive sorte por isso! Porque elas passavam no meu quarto e diziam: “esse bebê está tomando complemento?” e eu inocente respondia: “não” e elas já iam embora! Eu e meu marido ficávamos cheios de dúvidas. Pensávamos: “Nos parece que todos os bebês estão tomando complemento, menos nosso filho! E ele chora de hora em hora! Será que não deveríamos aceitar o complemento?” De outra vez, uma nova enfermeira perguntou e eu apressei-me em questionar se ele não deveria tomar e ela me respondeu: “se não tomou até agora e está dormindo, não dê!”. Eu optei por seguir a orientação dela, embora sem justificativa alguma, embora sem a médica pediatra ter nos visitado para explicar o uso ou não do complemento! E agradeço a Deus todos os dias por ter seguido essa orientação, pois acredito que, devido o meu bebê sugar meu peito de hora em hora nos três primeiros dias, foi que minha produção de leite aumentou e meu leite desceu em grande quantidade. Conheço bebês com o mesmo tempo que ele, que tomara complemento e não seguem só no peito, acredito que o colostro, por pouco que seja, é extremamente suficiente. O estômago do recém nascido é muito pequenininho, qualquer gotinha de colostro sacia e também esvazia muito rápido, por isso a demanda tão grande de mamar a todo instante! Isso não significa que ele precisa de complemento, pelo contrário, se ele tomar o complemento não irá estimular a mama o suficiente sugando o quanto deveria e aí sim irá dificultar a produção de leite da mãe!

    Relatos de outras mães, textos bem escritos são extremamente importantes para o sucesso da amamentação. Meu bebê tem 4 meses, mama no peito exclusivamente, pretendo seguir assim até os seis meses. Também sou doadora de leite materno. Ele é um bebê saudável, dorme bem inclusive a noite inteira já desde os 2 meses, está abaixo da média da curva de peso mas se desenvolve bem, e a pediatra dele diz sempre que está de parabéns. Bebês com muito peso nem sempre são sinal de saúde, e bebês com pouco peso (mas com ganho mensal adequado) nem sempre são sinal de que precisam de complementação!

    Não se deixem enganar mamães! O leite materno é extremamente saudável e importante, nem todos os bebês precisam de complementos, amamentar não é fácil, mas com muita informação pode se tornar!

  • Pingback: Como a dieta da mãe afeta o leite materno | pediatria descomplicada

  • Diana Almeida 02/02/2016 Reply

    Boa noite, dra. Kelly. O meu caso já é bem diferente. Estou amamentando meu bebê exclusivamente no peito e em livre demanda. Sendo q o meu bebê engordou muito, ele estava com 1 mês e meio e seu peso era de 6.240kg e 57cm. Eu até então estava achando normal, já q as filhas da minha irmã tbm eram bebês grandes e depois emagreceram qndo cresceram. Mas a pediatra dele disse q eu teria q controlar as mamadas dele, porém n estou conseguindo, ele adora mamá e qndo n mama chora muito querendo mamá. N sei o q fazer para q ele n mame tanto. E outra coisa, por incrível q pareça ele tem refluxo. E a pediatra dele falou q era por ele namar muito e o leite estaca voltando, mas vejo q mesmo qndo ele mama depois d dormir 3 ou até 4h, dei o peito 5 min e o leite voltava do mesmo jeito. E ele sofre com constantes azias de n conseguir dormir. Ele sofre mais de azias do que coloca o leite pra fora.

  • Pingback: Alergia alimentar, alergia ao leite de vaca e intolerâncias no bebê amamentado | pediatria descomplicada

  • Pingback: Amamentação ideal x real | pediatria descomplicada

  • Yasmine 07/05/2016 Reply

    Realmente a amamentação não é nada fácil, principalmente nos primeiros dias. Eu tive problemas com o bico dos meus seios que feriram e doía horrores quando ia amamentar, era uma tortura, chorava de dor todas as vezes que ia amamentar. Passei pomadas, usei bico de silicone, nada resolveu, por fim resolvi por meus seios no sol quando ia dar banho de sol no meu bebê e eles cicatrizaram para a minha felicidade e a do meu filho que assim pôde ter uma manada mais tranquila. Passado esse percalço comecei a sentir minha mama mais mole e meu filho chorava e passava de 2 a 3 horas no meu peito direto, eu ficava exausta, mas não podia deixar de dar o alimento mais importante pro meu filho. Foi aí que com 20 dias me indicaram entrar com o complemento. Até hoje eu não deixei de amamentar, meu filho está com 3 meses e dou o peito e o complemento. Eu não sei ate que ponto me culpo, por não ter leite suficiente, a única coisa que eu não queria era ver meu filho com fome. Queria saber também qual q diferença para a saúde do bebê de amamentar exclusivamente e amamentar com complemento?!?! Post muito bom, muito esclarecedor.
    Obrigada

  • Graziela Bertoncini 07/06/2016 Reply

    Olá, estou muito preocupada, minha bebe tem 74 dias e mama apenas 5 minutos e as vezes até menos em um só peito, nessa mamada ela suga bem rápido e escuto ela engolindo o leite mas também ela engole ar. Ela para de mamar faço arrotar e tento dar mais, mas ela recusa sugar, vira o rostinho e faz cara de nojo. Tento fazer ela dormir e dar o peito com ela dormindo e mesmo assim ela recusa. No começo ela mamava mais tempo uns 10 a 15 minutos. O pediatra disse q era normal por causa do refluxo, e que estava tudo bem com ela já que está ganhando peso, esta com 5,5kg. Mas ainda tenho dúvida porque ela anda muito agitada após as mamadas, chora, não dorme logo a mamada, fica esfregando o rostinho no meu colo e chupa a chupeta com força como se estivesse com fome. Isso principalmente no final da tarde e no começo da noite. As vezes dou complemento com fórmula e ela tomo uma 60 ml e dorme. Já de madrugada ela dorme bem acorda a cada 3 a 4 horas para mamar. Estou muito confusa e com medo de que ela esteja passando fome e ao mesmo tempo estou com medo de dar fórmula e ela parar de mamar. Tenho bastante leite e por isso tenho q usar conchinha ainda e durante a madrugada meus peitos enchem tanto q chegam a ficar duros e por isso dou uma ordenhada com a mão para q fiquem mais macios e para q a bebe não se afoge porque sai muito leite, chega a jorrar no rostinho dela. Não sei o que faço. Quero muito continuar amamentando mas parece que ela está parando aos poucos de mamar.

  • Pingback: Quanto de sono seu bebê realmente precisa? | pediatria descomplicada

  • Livia 13/08/2016 Reply

    Realmente a saída da maternidade nos influencia, infelizmente.
    Da minha primeira filha, ela não teve boa pega e já no hospital deram LA e alta com suplementacao, fui pra casa com tanto medo de ela passar fome que já dei mamadeira e não conseguimos mais a amamentação… 1ano depois tive meu segundo filho, estava tão determinada a amamentar que nem dei ouvidos a equipe de enfermaria que até ofereceu suplementacao até o leite “descer”… Viemos pra casa sem suplementacao, hoje ele tá com pouco mais de um mês, e só no primeiro mês já ganhou mais de 1,200 mamando só no peito, graças a Deus!!!!

  • Cláudia 05/09/2016 Reply

    Ola! Meu bebê tem uma pega perfeita de acordo com a avaliação da pediatra e de uma enfermeira especializada em amamentação, contudo, de acordo com a pediatra, não está ganhando peso suficiente. Ganhou a média de 20 gramas/dia no segundo mês (o ganho aumentou em relação ao primeiro mês) e está no percentil 3. Existe um ganho mínimo diário? A médica acredita que ele não suga o suficiente, mas o que poderia ser se a pega está correta? Ele também dorme no peito. Quais os motivos que podem levar a isso? Não queria inserir leite artificial. Ele me parece totalmente saudável. Faz xixi e cocô várias vezes ao dia, dorme super bem e chora pouco. Já estou complementando com meu próprio leite desde que pesamos a última vez, mas ele odeia. A amamentação era um momento gostoso e virou um sofrimento para ambos com a suplementação, ainda que com meu próprio leite.

    • Vc deve procurar uma pediatra especialista que te ajude a entender o que está acontecendo. Muitas vezes eh o ganho de peso da sua bebê mesmo, mas é preciso avaliar para ter certeza. Um Bjo Dra Kelly

  • Pingback: | Meu filho tem a língua presa, e agora?

  • Vanessa Cristina da Silva de Azevedo 28/10/2016 Reply

    Sou uma mulher gordinha e tenho as mamas muuiito grandes e flácidas e meus bicos são invertidos. Passei a gestação inteira sonhando em amamentar meu bebê. Quando ele nasceu, claro, não consegui pegar de cara. Meus seios estavam enoormes(já pro dizia colostro desde o quinto mês) e fui orientada na maternidade a não fazer o bico antes.Foram Três noites de sofrimento ver meu bebê chorando de fome e eu com o peito cheio que doía. Entraram com a fórmula, já na maternidade pois o hgt dele era 37.Sai de lá com a receita da fórmula e sem nenhum estímulo (pois havia ouvido de todos os profissionais de lá que ele não pegaria, que a culpa era da minha mama e do meu peso.Arrasada.Todos os dias chorava muito. Tirava leite 8/10 vezes ao dia…Até que uma vizinha me apresentou um bico de silicone da mam.Sei que não era o correto, mas entre o bico e a fórmula não pensei duas vezes. Ele já tinha 3meses quando resolvi tirar o bico.Brigamos uma semana, até que ele pegou o peito com três meses e meio. Hoje já com cinco meses só quer mamar o dia inteiro, mesmo cheio kkk.O que ouvi do banco de leite? Que eu não iria conseguir, que ele já estava muito grande e que se não tinha pego sem o bico quando menor agora é que não ia mesmo. Ainda na maternidade, foi minha a idéia de descer de duas em duas horas pra ordenha.Infelizmente, não há apoio. É um hospital “amigo da criança,sou enfermeira e a chefe do banco de leite foi minha professora (que achava a melhor).Mas, consegui. E você mulher que lê este comentário, também é capaz.

  • Juliane F. 18/11/2016 Reply

    Muito bom o texto! Adorei! 😉

  • Pingback: Amamentar: um direito ou uma escolha? – Parte 1 | pediatria descomplicada

  • Pingback: Amamentar: um direito ou uma escolha? – Parte 1 | pediatria descomplicada

  • Elaine 10/01/2017 Reply

    Meu BB de 28 dias mama só no peito em livre demanda….porem não esta ganhando peso adequadamente. Ele pega direito suga e escuto ele engolindo o leite… O pediatra pediu p mudar formula porem eu não queria… O q faço???

Deixe uma resposta