urso

Dicas de verão: saiba como proteger seu filho contra as picadas de inseto

picada de inseto, pediatria descomplicada, dicas de verão

Olá queridos papais e mamães,

O verão está aí e com ele algumas preocupações com os nossos pequenos…quando meu bebê pode ir à praia? Qual protetor solar usar? Como protegê-los dos mosquitos? Qual é o melhor repelente e a partir de que idade usar?

Hoje separei um tema mais que especial dentre tantos relacionados ao verão, e vamos entender um pouco sobre como prevenir picadas de inseto!

A picada de inseto, além de poder transmitir doenças e causar alergias graves, causa um desconforto daqueles…além do desconforto que ela causa, podem causar irritação local, coçeira, infecção da pele, dor, dificuldade para dormir, reações alérgicas dos mais variados tipos e gravidades, entre outros.

Quando a criança é picada, o veneno entra na pele e faz uma reação local. Ao coçar, o veneno se espalha e pode levar a piora da lesão e além disso, as bactérias presentes nas nossas unhas e nas mãos podem entrar na pele e causar infecção. Por isso todo cuidado do mundo!

Como prevenir as picadas de insetos? 

A proteção vai desde o uso de telas de proteção, mosquiteiros e roupas como barreira ao inseto, até repelentes e inseticidas de todos os tipos! Vamos falar um pouquinho de cada um deles!

Repelentes tópicos

Os repelentes que passamos na pele formam uma camada de vapor com odor que repele os insetos. Existem na forma de aerossol, gel, loção e spray. É importante lembrar que as condições da pele do bebê e do clima são fundamentais para a eficácia do repelente. O clima úmido e quente, uso de perfume, e o sexo feminino (devido a mecanismos hormonais) acabam reduzindo a sua eficácia, não importa o tipo. Vamos conhecer um pouco então das opções!

Vou falar os nomes “técnicos” do repelente e depois vamos entender um pouco o que cada marca tem.

DEET (N,N-dietil-3-metilbenzamida ou N,N-dietil-m-toluamida) – é eficaz e usado desde os anos 50. Quanto maior a concentração, maior o tempo de proteção conferido, sem uma toxicidade significativa.. Em média, um repelente com a concentração de 20% tem uma duração de proteção de 5h.

A Academia Americana de Pediatria (AAP) orienta que a concentração máxima em crianças é de 30%, somente para maiores de 2 anos. Pela Sociedade Canadense de Pediatria (SCP), até 10% em crianças de 6 meses a 12 anos. Em resumo, deve se optar pela menor concentração efetiva e não são indicados para crianças menores de 6 meses. No Brasil, a maioria dos produtos destinados a crianças contém DEET <10%. Os produtos que utilizam essa substância são: Autan®, OFF®, OFF kids®, Super Repelex® e Super Repelex kids gel®.

Icaridina ou KBR 3023 (1-piperidinecarboxylic acid, 2-(2-hydroxyethyl)-1-methylpropylester) – é um repelente derivado da pimenta, indicado pela OMS para viajantes, juntamente com DEET. Confere uma proteção mais prolongada que o DEET, com eficácia semelhante. Uma concentração de 10% confere pro­teção por um período de 3 a 5 horas. A sua ação repelente é mais eficaz contra o famoso Aedes aegypti, o mosquito da DENGUE. Pode ser utilizado para crianças acima de 2 anos. A única marca disponível no Brasil é a Exposis®, tendo a opção “Kids” para crianças.

IR 3535 (3-[N-acetyl-N-butyl]-aminopropionic acid ethyl ester): é um repelente  disponível na Europa há mais de 20 anos. Em concentração de 20%, é eficaz contra Anopheles Aedes por um período médio de 3 horas. Pode ser usado por gestantes, pois possui bom perfil de segurança. Pode ser usado em crianças acima de 6 meses. A marca disponível no Brasil é a Loção antimosquito da Johnson & Johnson.

∙ Óleos naturais: baseiam-se em essências de ervas, frutas cítricas, citronela, coco, soja, eucalipto, cedro, gerânio, hortelã e melissa, tendo sido usados há séculos. São muito voláteis e por isso, o seu efeito tem curta duração, com uma eficácia baixa.

Óleo de soja (Glycine max): em concentração de 2% conseguiu inibir picadas do Aedes por até 1 hora e meia. Acredita-se que esse óleo possua um efeito mecânico adicional de repelência.

 Óleo de citronela (Cymbopogon nardus): extremamente volátil, confere proteção curta e variável de menos de 20 minutos até 2 ho­ras. Deve-se reaplicar no mínimo a cada hora. Produto da marca Weleda, Citromin spray.

Óleo de andiroba (Carapa guianensis): mesmo puro (100%) tem efeito repelente muito discreto, de curta duração! Não é eficaz como repelente…

O óleo de eucalipto-limão (Eucalyptus citriodora) teve seu princípio ativo isolado re­centemente Numa concen­tração de 30%, é comparável ao DEET 20% e confere proteção de até 5 horas. É o mais recomendado dos óleos naturais, porém precisa ser reaplicado mais vezes que os repelentes sintéticos. Seria uma opção de repelente quando não se pode usar o DEET nem a Icaridina (por exemplo em crianças muito pequenas). Tem em lojas de produtos naturais.

Abaixo uma tabelinha mostrando todos os repelentes de barreira que descrevi aqui. (Fonte:Rev Paul Pediatr 2009;27(1):81-9)

tabela repelente, pediatria descomplicada, dra kelly oliveira, pediatra são paulo, cuidados da criança, dicas de verão

No próximo post, falarei sobre as barreiras físicas e ambientais que vocês pais podem utilizar para proteger seus filhos contra mosquitos! Não perca!

Um abraço,

Dra. Kelly Oliveira

CRM 145039

Nota: A Dra. Kelly não tem nenhuma parceria com qualquer marca, e apenas apresenta aqui dados presentes na literatura científica.

Veja mais dicas também em:

Referência Bibliográfica:

Insect repellents: recommendations for use in children. GP Stefani et al. 1. Rev Paul Pediatr 2009;27(1):81-9

Photo credit: http://womenworld.org/image/062013/27/174141908.jpg

22 Comments

Deixe uma resposta