urso

Quem deve tomar a vacina de febre amarela?

Recentemente houve alguns casos confirmados de febre amarela em macacos dentro do Estado de São Paulo e também na cidade de São Paulo, e novamente voltou-se a falar dessa doença. Mas calma! A boa notícia é que existe vacina para ela! Alguns cuidados devem ser tomados pois a vacina é de vírus vivo atenuado, então existem algumas contraindicações, como gestantes e lactantes com bebês menores de 6 meses.

Leia no texto de hoje qual a situação atual da febre amarela e como se proteger contra ela!

Como está a ocorrência da febre amarela hoje? 

O cenário atual da Febre amarela é de registro do maior surto da história recente: o maior número de casos humanos e óbitos, a maior ocorrência de epizootias envolvendo mais de 5 mil indivíduos com importante dano a biodiversidade, sendo um importante desafio às autoridades de saúde e meio ambiente no Brasil.

Segundo o Ministério da Saúde, já foram notificados  555 casos de febre amarela no país esse ano, com 107 mortes suspeitas e 42 confirmadas. Os casos notificados ocorreram em Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, São Paulo, Goiás e Mato Grosso do Sul. No Estado de São Paulo foram notificados 22 casos de febre amarela silvestre, com dez mortes.

Na cidade de São Paulo , capital, não há registro de casos humanos autóctones (ou seja, do próprio Estado), porém houve casos confirmados em macacos.  Foram notificados 3.240 casos suspeitos de febre amarela silvestre, sendo 792 (24,5%) confirmados e outros  519 (16%) em investigação até maio desse ano, pelo Ministério da Saúde.

A transmissão ativa já ocorreu em 85 municípios dos Estados de Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo, Bahia e Rio de Janeiro. A maioria dos casos confirmados e óbitos estão ocorrendo em pessoas não vacinadas!

Leia mais sobre febre amarela aqui 

Como se transmite a febre amarela? 

A febre amarela é uma doença infecciosa febril de causa viral, transmitida através do mosquito que possui dois ciclos distintos de transmissão: silvestre e urbano.

Febre amarela silvestre: os macacos são os principais hospedeiros e o homem é o hospedeiro acidental, ao adentrar a área da mata. A transmissão ocorre através dos mosquitos Haemagogus e Sabethes contaminado com o vírus da doença. 

Febre amarela urbana: o homem é o único hospedeiro com importância epidemiológica e a transmissão ocorre a partir do Aedes aegypti infectado. Não há relatos de febre amarela urbana desde 1942, somente da variação silvestre do vírus.

Em ambos os casos, o vírus é transmitido SOMENTE pela picada dos mosquitos infectados e não há transmissão direta de pessoa a pessoa.

A vacina é a principal ferramente de prevenção e controle da doença! 

A vacina está disponível nos postos de saúde de todo o país e nas redes privadas.

A vacina da febre amarela está incluída no calendário da criança a partir de 9 meses de idade para todo o Brasil em dose única.  O Brasil adotou desde abril desse ano a estratégia recomendada pela Organização Mundial de Saúde(OMS) de dose única da vacina da febre amarela, sem necessidade de renovação a cada 10 anos.

Quem deve tomar a vacina?

  • A população alvo a ser vacinada são as crianças de nove meses de idade até as pessoas com 59 anos de idade.
  • Pessoas acima de 60 anos deverão ser vacinadas somente se forem viajar para região endêmica.
  • Uma dose apenas garante imunidade por toda a vida, de acordo com a OMS.

Leia mais sobre quem deve se vacinar para febre amarela 

Em quais casos a vacina é contraindicada? 

  • Gestantes, lactantes com bebês menores de 6 meses, crianças menores de 6 meses de idade, pessoas que estão em tratamento de câncer, ou que estão tomando drogas imunossupressoras como corticoides com dosagens elevadas, paciente com imunodeficiência primária.
  • Pessoas com reação alérgica grave ao ovo (casos específicos podem ser avaliados por Alergista para realização de testes).

Leia mais sobre a vacina de febre amarela 

O que devem fazer as pessoas que não podem se vacinar (grávidas, alergia a ovo etc)?

Procurar orientação médica. Em caso de não ter como evitar a permanência em áreas silvestres, a pessoa deve reforçar o uso de repelentes.

Leia mais o post sobre uso de repelentes 

Leia mais sobre vacina de febre amarela e alergia a ovo 

Quais são os sintomas da Febre Amarela?

Inicialmente, febre, calafrios, dores no corpo, náuseas e vômitos. A maioria das pessoas melhora após os sintomas iniciais, mas 15% desenvolvem sintomas mais graves, como hemorragia que podem levar à morte. Os sintomas iniciais aparecem de três a seis dias depois, após à infecção pelo vírus.

Como prevenir?

  • Vacinação
  • Uso de repelentes, mosquiteiros e telas
  • Evitar perfumes em áreas de mata
  • Roupas compridas e claras
  • Evitar áreas de mata com registros da doença, caso vá viajar a esses locais, tome a vacina ao menos dez dias antes.

Qual é o tratamento da doença?

É apenas sintomático com antitérmicos e analgésicos (anti-inflamatórios e AAS não devem ser usados). Hospitalização quando necessário, com reposição de líquidos e perdas sanguíneas. Na suspeita, é indicado que seja avaliado por médico.

 

Veja os vídeos abaixo com as maiores dúvidas em relação a febre amarela: 

 

Espero que tenham gostado! Se sim, compartilhe!

Um abraço,

Dra. Kelly Marques Oliveira

Pediatra, Alergia e Imunologia e Consultora Internacional de Amamentação (IBCLC) – CRM 145039

E aí gostou do conteúdo? Espero que tenha ajudado a esclarecer dúvidas! Compartilhe! E você sabia que dá para receber o conteúdo do blog direto no seu email? É só se cadastrar! Só fazer o cadastro na nossa newsletter e colocar seu email! Não se preocupe pois somos contra spam, e você receberá somente os conteúdos relevantes. Estamos também no Facebook (curta e coloque para “ver primeiro” nas opções) e instagram @pediatriadescomplicada (ative as notificações para visualização).

  • Para mais informações entre em contato conosco em nosso telefone:
    ☎ (11) 5083-1818
  • Ou envie sua mensagem em nosso WhatsApp:
    📲 (11) 99866-1107
  • www.vacinadescomplicada.com.br

Consultório Espaço Médico Descomplicado – São Paulo: (11) 5579-9090/ whatsapp (11) 93014-0007

Referências Bibliográficas: 

Secretaria de Vigilância em Saúde, MS/2017

Deixe uma resposta