urso

Sociedade Brasileira de Pediatria publica guia sobre o BLW

  
Semana passada foi publicado um guia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) se posicionando em relação ao método de introdução alimentar chamado Baby Led Weaning, o BLW, que já falo com vocês há algum tempo! Achei o documento super válido, pois é importante ter um posicionamento das sociedades, principalmente pois é algo que as famílias têm adotado cada vez mais!
É um documento curtinho, de atualização mesmo, e gostaria de compartilhar algumas coisas com vocês. Olha só!
 

Sobre a livre demanda na amamentação e a regulação da fome e saciedade: 

 Sabe-se que bebês que mamam no peito tem um mecanismo de regulação de fome e saciedade bem desenvolvido. Se a livre demanda é estimulada, um bebê que mama no peito dificilmente irá mamar mais do que deveria. Os bebês dão sinais claro quando estão satisfeitos.
Se seu bebê não mama mais no peito e toma fórmula infantil, seja qual for o motivo, esteja atento também aos seus sinais, da mesma forma.
“Os recém-nascidos saudáveis possuem a capacidade de autorregular sua alimentação, determinando o início da mamada, qual a velocidade que sugam e quando querem parar de mamar. A mãe não consegue fazer com que o recém-nascido ou lactente sugue maior quantidade quando este encerra a mamada, ao sentir-se satisfeito.”
“Aprender a interpretar estes sinais (de fome e saciedade) é fundamental para o sucesso na amamentação, alimentação complementar e formação dos hábitos alimentares até a vida adulta.”
É em torno dos 6 meses que os bebês apresentam as aquisições motoras e neurológicas que os permitem iniciar a alimentação complementar
 Alguns marcos importantes de que o bebê está pronto para iniciar a alimentação complementar:
  1. Desenvolvimento motor e neurológico: capacidade para sentar sem apoio, sustentar a cabeça e o tronco, segurar objetos com as mãos, e explorar estímulos ambientais
  2. Desenvolvimento oral: desaparecimento do reflexo de protrusão e aparecimento dos movimentos voluntários e independentes da língua
É importante entender esses sinais de prontidão para a introdução de alimentos sólidos, e essa também é a base o método Baby Led Weaning (BLW).
Algumas orientações relacionadas à alimentação são as mesmas para qualquer método e muitas das orientações da SBP e do Ministério da Saúde precisam acontecer na alimentação complementar tradicional, e muitas vezes NÃO acontecem, ou são orientadas de maneira errada.
Recomendações comuns à qualquer método: 
  • O ritmo da criança deve ser respeitado, de acordo com o desenvolvimento neuropsicomotor
  • A alimentação complementar complementa o leite materno e não o substitui
  • Deve-se incentivar a criança a comer nos horários de refeições da família
  • Incentivo à práticas responsivas para o sucesso na introdução de novos alimentos
  • A importância de identificar e respeitar os sinais de fome e saciedade
  • Incentivo para que o bebê seja ativo e interativo durante as refeições e que tenha sua atenção voltada totalmente para o momento
  • Oferecer variedade de alimentos, evitando a monotonia
 Recomendações importantes para a alimentação complementar tradicional (e os principais ERROS que cometemos):
  • Todos os grupos alimentares devem ser oferecidos a partir da primeira papa principal. O que ocorre: adiamos a introdução de proteínas como carnes, frangos, ovos e peixe, além de outros grupos alimentares, quando na verdade deve ser introduzido já aos 6 meses
  • A refeição deve ser amassada, sem peneirar ou liquidificar. O que ocorre: a comida é batida no liquidificador, não identifica-se o que é cada alimento e vira aquela papa cor de “burro-quando-foge”.
  • Oferecer alimentos em pequenos pedaços já aos 8 meses. O que ocorre: não existe essa evolução de consistência e a criança fica comendo papinha batida por muuuuito tempo.
  • Oferecer os alimentos com a colher, de forma tranquila e respeitosa, sem forçar. O que ocorre: usamos métodos para distrair a criança enquanto come, ou então forçamos a colher para que a criança coma.
 Sobre o Baby-Led-Weaning
Já escrevi um pouco sobre o que é o BLW, e principalmente, o que não é. O que precisa ficar claro é que os princípios do BLW são mais importantes do que o como fazer. O BLW é uma abordagem em que o bebê se autoalimenta, ele explora o alimento e o descobre na medida que damos a oportunidade.
Leia mais sobre o BLW 
O que precisa ficar claro, é que o BLW não é “dar a comida em pedaços” enquanto o método tradicional é “dar a comida com a colher”. Segundo o guia, “sua abordagem não inclui alimentação com a colher e nenhum método de adaptação de consistência para preparar a refeição do lactente, como amassar, triturar ou desfiar.”
Nesse ponto, gostaria de esclarecer que o BLW inclui sim o uso de talheres, inclusive a colher, de maneira oportuna, tão logo o bebê tenha habilidade para tal. A oportunidade deve existir desde sempre. Além disso, pode-se dizer que há sim uma maneira segura de oferecer os alimentos, e para isso, devem ser feitas adaptações que permitam o bebê pegar o alimento com as próprias mãos. Um alimento no formato de “finger food”, haste, palito, meia lua, numa consistencia macia e firme permite que o bebê pegue o alimento com firmeza, sem ainda ter o movimento de pinça, que passa a desenvolver após alguns meses após a introdução alimentar.

Questionamentos sobre o BLW

 A SBP e outras sociedades internacionais levantam alguns questionamentos que ainda não foram completamente respondidos sobre o método, que são importantes e relevantes:
  • Há impacto sobre o crescimento e o desenvolvimento?
  • A ingestão de micronutrientes é suficiente?
  • Influencia a formação dos hábitos alimentares?
  • Influencia o comportamento dos pais / cuidadores?
  • É um método de alimentação complementar viável para os pais?
  • É uma forma segura de alimentar os lactentes? Há maior risco de engasgo e asfixia?

Posso dizer que como pediatra que tem orientado muitas famílias pelo método BLW, que muitos desses questionamentos já foram respondidos, de forma surpreendentemente positiva, e que com orientações corretas aliadas a um acompanhamento próximo dessas famílias, os resultados são promissores. A relação da criança com a comida, e mais do que isso, o comportamento alimentar é extremamente benéfico. Munido de orientações sobre segurança e variedade na introdução alimentar, com acompanhamento adequado, a criança estará  certamente recebendo uma alimentação adequada para a idade.

Um estudo recentemente publicado na revista Pediatrics mostrou que independente do método, os pais acabam oferecendo alimentos que têm possível risco de engasgo a seus bebês, seja por falta de orientação ou desconhecimento.

Leia mais sobre o risco de engasgo.

Também no mesmo estudo comparativo, observou-se que crianças do grupo BLW tinham maior chance de comer em família, porém maior ingesta de alimentos com  gordura saturada e menor ingestão de ferro, zinco e vitamina B12.

Outro estudo importante foi publicado com o intuito de entender melhor esses questionamentos, e foi feito uma abordagem direcionada para suprir essas possíveis “deficiências” no BLW, chamado de Baby-Led Introduction to SolidS (BLISS). O estudo comparou a abordagem BLW com a abordagem BLISS, no qual acrescentava mais visitas ao pediatra e orientação multidisciplinar, e com reforço nas questões de segurança e variedade de alimentos (oferecer alimentos ricos em ferro, por exemplo). Apesar do número pequeno de pacientes do estudo, foi mostrado que essa abordagem BLISS apresentou melhora na ingesta de ferro e menor risco de engasgo.

Entre as orientações do BLISS estão:
  •  Oferecer alimentos cortados em pedaços grandes, que o lactente consiga pegar sozinho
  • Garantir a oferta de um alimento rico em ferro em cada refeição
  • Ofertar um alimento rico em calorias em cada refeição
  • Oferecer alimentos preparados de uma forma que reduza o risco de engasgo e evitar os alimentos listados como alto risco de aspiração
  • Experimentar sempre o alimento antes de oferecer ao lactente, para verificar se não forma um bolo dentro da cavidade oral
  • Evitar alimentos redondos ou em formato de moedas
  • Garantir sempre que o lactente esteja sentado, ereto e sob supervisão contínua de um adulto
Em relação ao BLW, cabe ressaltar que a grande diferença foi o acompanhamento de perto de um profissional capacitado, que pudesse dar as orientações adequadas para o método. Todas as recomendações acima também são recomendações do BLW preconizado pela Gil Rapley, em seu livro.

Se você pulou direto pro final, grava isso aqui (pra vida!):

  • Respeite o ritmo do seu bebê
  • Foque no “comer junto” e não em “fazer o bebê comer”
  • Seja o exemplo para seu filho no que diz respeito a hábitos alimentares saudáveis. Não justifique qualquer ato por “comi e não morri” ou “sempre fiz assim e não morri”, etc
  • Tenha paciência! Comer é mais do nutrir, é uma habilidade a ser aprendida e deve ser um momento gostoso e nunca coercitivo ou punitivo
  • Proporcione um ambiente tranquilo e descontraído
  • Estimule seu bebê a experimentar com as mãos, a explorar os alimentos como parte natural do seu aprendizado (independende do método!)
  • Não existe uma única abordagem correta, mas sim orientações que levarão a uma introdução alimentar gostosa e tranquila
A decisão de como acontecerá a introdução alimentar, qual “método” seguir, cabe aos pais, juntamente com o pediatra, que precisa dar todo o respaldo necessário para que ela ocorra de forma leve e prazerosa, como deve ser.

Um abraço,

Dra. Kelly Marques Oliveira

Pediatra, Alergista e Consultora Internacional de Amamentação (IBCLC) – CRM 145039

Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga também no Facebook (ative o receber notificações, para receber aviso dos posts novos) e instagram (@pediatriadescomplicada).

 Consultório Espaço Médico Descomplicado – São Paulo: (11) 5579-9090/ whatsapp (11) 93014-0007

Deixe uma resposta