urso

A chupeta é o vilão? Qual a real necessidade do meu bebê

Esse tema é polêmico que só! Por isso já vou dizendo que não estou aqui para julgar ninguém, e nem que sou contra ou a favor da chupeta . Quero trazer para vocês informações importantes que tragam empoderamento para tomar a melhor decisão. E essa decisão é sua, baseada no que é melhor no seu contexto de vida.

Antes de mais nada, sabemos que a sucção para o bebê é uma necessidade intrínseca. Muitos bebês já sugam o dedo desde a barriga da mãe. O bebê já nasce com o reflexo de sucção, e através dele que aprende a se nutrir. A sucção também tem mais do que uma necessidade física para saciar a fome, mas também para conforto. É um importante recurso que o bebê tem para relaxar e se acalmar, e faz parte do seu desenvolvimento psíquico.

O bebê começa seu conhecimento do mundo pela boca, o que chamamos de fase oral, que vai dos 0 aos 2 anos em média. Por isso tudo o que a criança explora, ela o faz pela boca. Isso é natural e inerente à essa fase.

A necessidade de sucção é inerente aos bebês. A sucção sacia a fome física, mas também emocional.

Quando meu bebê pode a usar a chupeta?

Essa é uma pergunta bem comum das mamães, e a maioria acaba cedendo a chupeta pois está diante de um bebê que mama 24h por dia e elas estão extremamente cansadas! (Leia sobre saltos de crescimento). Outras mamães dão chupeta simplesmente por ser algo cultural! Isso mesmo. A mãe vê a chupeta como um instrumento necessário à maternidade, praticamente simbólico. Algo que pode acalmar o bebê e trazer conforto.

Porém nas primeiras semanas algo acontece. O vínculo se estabelece, a amamentação também. Por isso é importante dar tempo ao tempo, e esperar a amamentação se estabelecer para oferecer a chupeta. Normalmente isso ocorre após cerca de 3 a 4 semanas, mas pode demorar mais. Já foi comprovado em estudos que o uso da chupeta pode induzir o desmame precoce e levar a redução do tempo de mamada. Por isso fique atenta: ao dar a chupeta para seu bebê, será que ele não queria mamar?

A chupeta é algo cultural. A mãe acredita que o bebê precisa mais da chupeta do que ele próprio, pois vê na chupeta algo que traz consolo e conforto, como uma necessidade real para o bebê.

O que devo considerar antes de dar a chupeta ao meu bebê?

Há várias coisas a serem consideradas, mas é importante que a mãe tome a decisão com todas as informações importantes em mente. Encontrar equilíbrio na maternidade, entre tantas opções é a chave para o empoderamento materno.

Veja abaixo algumas considerações importantes:

  • Nunca substitua uma chupeta por uma mamada ou tente espaçar mais as mamadas com o uso da chupeta. Isso pode deixar o bebê com muita fome para a próxima mamada, e acabar prejudicando a amamentação.
  • Estudos indicam que bebês que usam chupeta tendem a desmamar mais cedo do que aqueles que não usam. Conforme o bebê cresce, o bebê depende do peito menos para nutrição, e muitas vezes essa necessidade de sucção é que mantém o bebê mamando por mais tempo. Mais do que nutrição, a amamentação também supre essa necessidade. Leia sobre confusão de bicos.
  • Bebês que usam chupeta tem um risco maior de ter candidíase oral, (sapinho), pode passar para a mama e ainda perpetuar a infecção. Caso a mãe tenha candidíase na mama, e o bebê usa chupeta, deve higienizar muito bem a chupeta.
  • Alguns estudos demonstraram uma ligação entre o uso de chupeta e um aumento da incidência de infecções de ouvido.
  • A chupeta quando usada, deve ser feita de forma segura, nunca amarrada em volta do pescoço, não deve ter acessórios desnecessários, nem brilhantes que podem ser engolidos pelo bebê (por mais bonito que pareça ser)
  • Use chupetas de silicone, e nunca de látex pelo risco de sensibilização e alergia ao látex.
  • O uso prolongado da chupeta pode resultar em desalinhamento dos dentes, problemas de má oclusão com consequências sérias relacionadas à formação do palato mole ou problemas na fala. Isso já está mais do que estabelecido em estudos.
  • Dar ao bebê uma chupeta pode aumentar as chances da mãe de ovular e engravidar. O aleitamento materno exclusivo, em livre demanda e até os 6 meses de idade, com a mãe tendo a menstruação é um método de contracepção natural, com eficácia em torno de 98%. O uso da chupeta diminui o tempo e a frequência das mamadas com com redução da eficácia do método.

E agora? O que eu faço? 

Agora você tem as informações em mãos para tomar uma decisão que seja equilibrada. Que esteja dentro do que pode ser aceitável para você como mãe e para sua família, sendo pai. Acredito realmente que tomar uma decisão consciente sempre é a melhor escolha.

Sabendo quais são os riscos de oferecer a chupeta, podemos ficar atentos e perceber a tempo quando está ocorrendo, por exemplo, uma confusão de bicos, ou esperar pelo menos as primeiras semanas até que a amamentação esteja bem estabelecida.

No próximo post falarei sobre esse SINAIS DE ATENÇÃO que devemos evitar a chupeta e se a chupeta de fato protege contra morte súbita!

 Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga também no Facebook (ative o “ver primeiro”, para receber aviso dos posts novos) e Instagram (@pediatriadescomplicada, clique no canto superior direito “ativar notificações de publicação”).

Dra Kelly Marques Oliveira

CRM 145039

Pediatra e Consultora Internacional de Amamentação 

Consultório Espaço Médico Descomplicado – São Paulo: (11) 5579-9090/ whatsapp (11) 93014-0007

Referências bibliográficas

Deixe uma resposta