urso

Estudo no Lancet publica sobre os benefícios da amamentação e o marketing das fórmulas infantis

aleitamento materno, serie lancet, amamentação, pediatria descomplicada

Um estudo de metanálise recente foi publicado no Lancet em janeiro desse ano, mostra mais do que nunca evidências dos inúmeros benefícios da amamentação, em todas as classes sociais. Esse impacto vai além da criança, mostra benefícios para a mãe que amamenta e sobre a expectativa de vida, além do impacto econômico e social! Trata-se de um estudo com análise de 28 revisões sistemáticas e matanálises, numa revista de alto impacto científico. Isso significa que as conclusões do estudo são extremamente confiáveis e incontestáveis.

É preciso que  população tenha acesso à informação desde a gestação e ainda na maternidade, com um seguimento e aconselhamento que não acontece hoje. Infelizmente, as informações que chegam às mães são conflitantes e faltam profissionais preparados para capacitação e treinamento em hospitais.

Algumas conclusões do estudo:

  1. Mais 800 000 crianças poderiam ser salvas cada ano, entre as crianças menores de 5 anos, se todas as crianças entre 0 a 23 meses fossem amamentadas. Isso significa uma diminuição da mortalidade infantil em 13%!
  2. . A amamentação contribui para um melhor desempenho intelectual, crianças amamentadas tem melhors escores de QI, e estão associados com melhores salários na vida adulta.
  3. Em países de baixa e média renda, o aleitamento materno pode prevenir 1/2 de todos os casos de diarréia e 1/3  das infecções respiratórias.
  4. Em países de alta renda a amamentação reduz o risco de morte súbita em crianças em mais 1/3
  5. A amamentação protege contra a obesidade e diabetes mais tarde na vida
  6. Para as mamães, a amamentação reduz o risco de câncer de mama e de ovário. Se todas as mulheres do mundo amamentassem seus bebês, haveria 20.000 menos mortes relacionadas a câncer de mama por ano.
  7. A amamentação contribui para melhora dos desenvolvimento infantil e redução dos custos de saúde, devido ao ganho econômico das famílias, individualmente e também em nível nacional.

Sabemos que a amamentação é uma das medidas de saúde com maior impacto no mundo, ainda faltam políticas públicas que apoiem e promovam a amamentação. Para quem pensa que a amamentação tem impacto somente nos países pobres, e não seria tão relevante em países desenvolvidos, está muito enganado. Segundo o próprio autor da série de estudos e Professor da Universidade Federal de Pelotas, no Brasil, Dr. Cesar Victora, ele afirma “Há um equívoco generalizado de que os benefícios da amamentação dizem respeito apenas aos países pobres. Nada poderia estar mais longe da verdade.” Ele ainda ressalta que deveria haver uma preocupação mundial com a amamentação, tamanho o seu impacto social, econômico e na saúde.

Infelizmente, nos países desenvolvidos, as taxas de amamentação ainda são baixas. Apenas 1 em cada 5 crianças com 12 meses são amamentadas. E, apenas uma em cada três crianças em países de baixa e média renda é amamentado exclusivamente nos primeiros seis meses de vida.

Amamentar é bom para economia do país

O impacto economico da amamentação é enorme! Economicamente falando, as perdas economicas em não amamentar chegam a  302 bilhões de dólares por ano, o que equivale a 0,49% de todo o  rendimento nacional bruto mundial! Se formos contar somente países de alta renda, isso representa uma perda de 231 bilhões e 0,53% do rendimento nacional bruto. Se existe algum investimento no país tem impacto social e econômico tão significativo, é investir na amamentação.

Além disso, os gastos com doenças que seriam evitadas pela amamentação chegam a 6 milhões de dólares no Brasil.

Porque as taxas de aleitamento materno ainda são tão baixas?

Apesar de todos esses benefícios, as taxas a nível mundial do aleitamento materno são baixos, e o que chama a atenção,são os países de alta renda. No Reino Unido por exemplo, a taxa de amamentação aos 12 meses é de 1%.  Por que essa taxa tão baixa?

A influência do marketing de substitutos do leite materno 

As razões para as taxas de amamentação baixas incluem pobre promoção e apoio ao aleitamento materno, e marketing agressivo e aumento das vendas de fórmula infantil. Felizmente no Brasil, duração da amamentação aumentou dramaticamente. Em 1974 a média de amamentação era 2,5 meses, e segundo pesquisa em 2006, passou para 14 meses. Isso graças a diversos programas de incentivo à amamentação, políticas públicas e inciativas da mídia. Está aí algo que podemos nos orgulhar.

O Código Internacional de Comercialização de Substitutos do Leite Materno, foi criado em 1981 para proteger o público de estratégias de marketing inadequadas, mas foi fracamente implementado, aplicado e monitorado nos países. por países. Dessa forma, as indústrias do leite acabam por influenciar fortemente as mães com bebês que ainda mamam. Nós, como consumidores, devemos e podemos fiscalizar estabelecimentos comerciais e até denunciar propagandas que estejam fora do padrão. Fique de olho!

Um dos autores da série de explica que nos países de alta renda esse mercado já está saturado, e o próximo alvo deles são os países de baixa e média renda. Isso pode implicar num aumento expressivo da mortalidade infantil, onde a água potável e os cuidados de higienes são precários.

Como uma foto vale mais do que mil palavras, veja a foto divulgada pela Unicef, sobre o impacto das fórmulas infantis.

formula infantil, marketing formulas infantis, beneficios leite materno

Acesse aqui o pdf da Unicef sobre o impacto das fórmulas infantis.

Você já notou que todas às vezes que existe uma propaganda de leite na televisão, são bebês bonitinhos e felizes? E o quanto eles apelam para o lado emocional? Toda propaganda tem a intenção de vender, de impactar o consumidor de alguma forma. Tomem cuidado mamães!

Promover a amamentação é um dever de todos nós!

Mom feeds the baby breastfeeding

Achar que o leite materno pode ser substituído por produtos artificiais sem consequências prejudiciais é simplista demais e não poderia estar mais equivocado. “A decisão de não amamentar tem importantes efeitos negativos a longo prazo sobre a saúde, nutrição e desenvolvimento das crianças e na saúde das mulheres. ” Explica o Professor Victora.

Conclui-se, na série publicada, que a amamentação é uma questão de saúde global que necessita de suporte em vários aspectosm seja legal, de políticas públicas, até medidas sociais e econômicas. Eles encerram a série com uma frase que eu coloco aqui: “O sucesso da amamentação não e só uma responsabilidade da mulher – a promoção da amamentação é uma responsabilidade social coletiva.”

Como de nada adianta falar sobre os benefícios da amamentação sem oferecer suporte e ajuda, você encontra muita informação sobre amamentação na minha página. Procure ajuda se estiver com dificuldades! Você não está sozinha.

Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga também no Facebook (ative o receber notificações, para receber aviso dos posts novos) e instagram (@pediatriadescomplicada).

Um abraço,

Dra. Kelly Marques Oliveira

CRM 145039

Consultório particular em São Paulo: (11) 5088-6699

Referências bibliográficas

http://www.thelancet.com/series/breastfeeding

4 Comments

  • Patrícia 17/03/2016 Reply

    Ótima publicação!!!

  • Maria 22/03/2016 Reply

    Amei

  • Isis Melo 30/03/2016 Reply

    Dra. Kelly adorei a publicação e concordo plenamente sobre a importância da amamentação. Mas sempre fico na dúvida sobre crianças adotadas…Elas terão invariavelmente maior chance de terem doenças já que não foram alimentadas com leite materno?

  • Vanessa 12/04/2017 Reply

    Também considero muito importante o leite materno.
    No meu caso, não consegui amamentar minhas duas filhas.
    Meus mamilos são invertidos e não tive orientação alguma sobre o assunto. Dois dias após o parto foi aquele sacrifício em tentar colocar o mamilo na boca do bb e eu percebia q as enfermeiras não tinham paciência, deixavam o bb chupar o q pegou e pronto. Nas consultas com o pediatra era sempre aquele constrangimento pois ela simplesmente achava q eu não queria amamentar. Minha primeira filha emagrecia toda semana e chorava a noite toda de fome. Até que um dia comprei uma fórmula e dei. Ela dormiu a noite toda. Fiquei abismada de perceber q minha filha chorava de fome pq simplesmente meu leite tinha secado.
    Com a segunda filha, ja tive mais leite, porém ela nasceu prematura e ficou 45 dias na UTI, conclusão meu leite secou novamente.
    Me colocavam na máquina para ordenhar toda manhã, aquela bombinha acabava com meus mamilos. Então no meu caso não tive outra opção.

Deixe uma resposta