urso

Mais amor, por favor – Humanização na saúde e método canguru

metodo canguru, himanização, pediatria, pediatra, dra kelly olveira, pediatria descomplicada

Já faz algum tempo que gostaria de compartilhar aqui no blog um pouco sobre um projeto tão bonito que é o Método Canguru (Kangaroo Mother Care).

Muito mais do que só colocar o bebê junto com a mãe, em contato pele a pele, o método vem de um contexto bem interessante.

Um pouco de história…

O método canguru foi idealizado e implantado de forma pioneira por Edgar Rey Sanabria e Hector Martinez em 1979, no Instituto Materno-Infantil de Bogotá, Colômbia, e denominado “Mãe Canguru” devido à maneira pela qual as mães carregavam seus bebês após o nascimento, de forma semelhante aos marsupiais.

Dava-se alta precoce para recém-nascidos de baixo peso devido a uma situação crítica de falta de incubadoras, infecções cruzadas, ausência de recursos tecnológicos, desmame precoce, altas taxas de mortalidade neonatal e abandono materno. Nesse contexto difícil e precário nasceu o método Canguru. Por isso foi visto inicialmente como um método aplicável em países de terceiro mundo, onde não haviam recursos, e até encarado com um certo preconceito…

Mas a história mudou quando perceberam que mais do que somente “economizar custos” em lugares precários, o método se mostrou tão eficaz e com resultados superiores em relação aos bebês de incubadoras. Percebeu-se que esses bebês prematuros e de baixo pesos apresentavam um benefício enorme relacionado ao seu desenvolvimento psicoafetivo, ao vínculo entre mãe e filho e à amamentação.

O que é então o Método Canguru?

Nascia o “Método Canguru”. A posição canguru consiste em manter o recém-nascido de baixo peso, geralmente prematuro, em contato pele a pele com o pai ou a mãe, na posição vertical. Para mantê-los próximos e protegidos, coloca-se o bebê e mamãe envoltos num lençol ou manto de forma que fiquem “grudados”, como se um fosse a extensão do outro. Isso promove a mínima perda de calor para o meio ambiente. Esse contato deve ser constante o máximo de tempo possível, dentro da UTI neonatal. É possível ainda que mesmo bebês intubados possa ficar no ventre da mãe, desde que tenha estabilidade clínica para isso.

Não há como falar em método Canguru sem pensar em humanização na assistência neonatal, desde o parto até os cuidados na Unidade de Terapia Intensiva, para o bebê prematuro ou baixo peso, e para o bebê de termo, no alojamento conjunto. Deve-se prezar pela manipulação mínima, e menor intervenção possível, sem procedimentos invasivos, caso não haja necessidade. O bebê deve ficar o máximo de tempo com a mãe e não deve ser separado, salvo se estritamente necessário.

Quais são as evidências científicas do seu benefício?

Um trabalho publicado na Acta Paediatrics em 2004, por Bergman NJ e colaboradores demonstrou que o contato pele a pele versus incubadora convencional demonstrou melhores parâmetros fisiológicos nos bebês que tiveram o contato pele a pele. Os bebês beneficiados com o contato pele a pele apresentaram melhor controle de temperatura, melhor taxa de glicose (menos hipoglicemia), menor número de apneias, menor quedas de saturação, em relação aos bebês em incubadoras. O resultado teve significância estatística (p<0,05, alguns até <0,001, quem entende um pouco de estatística sabe da importância disso!). Isso em pesquisas em países de primeiro mundo!

Outro trabalho publicado no Pediatric Critical Care em 2012 por Marik PE e colaboradores demonstrou como a quantidade de sons e ruídos a que os bebês são expostos dentro de uma incubadora podem ser prejudiciais ao seu desenvolvimento.  E acredite, para quem trabalha em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal como eu, as vezes o barulho das tais incubadoras era tão alto e irritante que me incomodavam, que dirá os pequenos seres dentro delas…

Visando estabelecer esse projeto, o Ministério da Saúde financiou um estudo comparativo entre dezesseis unidades que possuíam ou não a segunda fase do Método Canguru, incluindo 985 recém‑nascidos pesando entre 500 e 1.749g. Verificou‑se que as unidades canguru tiveram desempenho nitidamente superior em relação ao aleitamento materno exclusivo na alta (69,2% versus 23,8%) e aos 3 meses após a alta, além de menores percentuais de reinternação (9,6% versus 17,1%). Os autores concluíram que essa estratégia de humanização adotada é uma alternativa segura ao tratamento convencional e uma boa estratégia para a promoção do aleitamento materno. (LAMY, 2008).

Como contra fatos não há argumentos, percebeu-se como realmente o benefício do contato pele a pele mãe bebê eram essenciais e que o bebê deve ficar próximo de onde sempre esteve, junto da sua mãe.

O Método Canguru promove o empoderamento materno a medida que capacita a mãe a cuidar de seu bebê desde o início. Ele promove o conhecimento mútuo entre mãe e filho.

Como aplicar isso na prática?

Podemos ser objeto transformador onde estamos! Promover a humanização no cuidado é o papel de nós profissionais da saúde, de capacitar os pais a cuidarem dos seus filhos. A mãe que tem alta da maternidade com segurança de cuidar do seu bebê está melhor preparada para enfrentar as dificuldades que virão, pois grande parte já foi superada.

Faça o seu “canguru” em casa!

Promova o contato pele a pele entre você e seu bebê, o máximo de tempo! Isso ajudará a desenvolver o conhecimento mútuo entre vocês e a estabelecer o vínculo, além de ser extremamente benéfico à amamentação.

Em suma, o método Canguru:

  1. Permite um controle térmico adequado

  2. Contribui para a redução do risco de infecção hospitalar

  3. Reduz o estresse e a dor do recém-nascido

  4. Reduz o tempo de separação mãe-filho

  5. Aumenta as taxas de aleitamento materno

  6. Melhora a qualidade do desenvolvimento neurocomportamental e psico‑afetivo do recém‑nascido

  7. Propicia um melhor relacionamento da família com a equipe de saúde

  8. Possibilita maior competência e confiança dos pais no cuidado do seu filho inclusive após a alta hospitalar

  9. Reduz o número de reinternações

  10. Contribui para a otimização dos leitos de Unidades de Terapia Intensiva e de Cuidados Intermediários Neonatais.

Divulguem, lutem pela humanização. Nunca é tarde. Contem aqui suas histórias de vida. Com certeza muitos tiveram dificuldades e vitórias nesse caminho.

Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga também no Facebook (ative o receber notificações, para receber aviso dos posts novos) e instagram (@pediatriadescomplicada).

Um abraço

Dra Kelly Marques Oliveira

CRM 145039

Consultório particular em São Paulo: (11) 5088-6699/ (11) 93014-0007

*As informações dadas aqui não substituem a consulta médica. Se houver dúvida o médico deverá ser consultado.

Você também pode gostar de:

Amamentação: dicas para tirar mais leite

Amamentação: bebês que dormem no peito ou choram para mamar, o que fazer?

Mitos sobre amamentação: Meu leite não sustenta!

Amamentação: Erros comuns que nos levam a pensar que o bebê mama pouco

Como saber se o bebê está mamando bem? Como saber se efetivamente retira leite do peito?

Como retirar o leite materno? – Orientações

Entenda como funciona o sono do bebê

Padrões de sono do bebê: Como marcos importantes podem afetar o sono

Cólica do bebê: existe remédio? – Parte 4

Referências Bibliográficas

  • Bergman NJ, Linley LL, Fawcus SR. Randomized controlled trial of skin-to-skin contact from birth versus conventional incubator for physiological stabilization in 1200-2199 gram newborns Acta Paediatr 2004;93:779-785
  • Marik PE, Fuller C, Levitov A, Moll E. Neontal Incubators: A toxic sound environment for the preterm infant? Pediatr Crit Care Med 2012;13(6):685-689
  • Atenção Humanizada ao Recém-Nascido de Baixo Peso – Manual Técnico 2ª edição 2011

 

 

 

 

 

 

10 Comments

Deixe uma resposta