urso

Bronquiolite: entenda a doença do outono

O início do outono está aí, e com ele começa o tempo mais frio e seco, responsável pelo que chamamos de “pico das doenças virais” em pediatria.

Não é a toa que os pronto socorros andam lotados nessa época do ano, seja por um resfriado qualquer, os bebês que começam a chiar o peito ou as crianças com asma que também ficam com crise de chiado também.
No meio de tanta tosse, espirro e febre, vamos entender porque a bronquiolite é uma doença tão frequente nessa época do ano e porque é importante saber identificá-la, e mais, quando devemos perceber a gravidade da doença!

A bronquiolite, como é chamada,  é causado por um agente viral, e dá uma tosse danada, uma febre não muito alta, geralmente que não passa de 39° C, e aquela chiadeira no peito. A criança também tem bastante catarro, que vai desde uma coriza clara até mais amarelada, e secreção nos olhos. Muitos casos necessitam de internação, devido ao desconforto respiratório que ela causa e a necessidade de suporte de oxigênio. Por isso papais, fiquem atentos!

Sei que existe muitas dúvidas em torno dela, então vamos entender um pouco essa doença!

 O que é a Bronquiolite viral aguda?

Bronquiolite viral aguda é por definição uma infecção respiratória da via aérea inferior, de etiologia viral, que compromete as pequenas vias aéreas , os chamados bronquíolos, através de um processo inflamatório agudo, levando a obstrução da via aérea com intensidade variável. É diferente da asma. Ela ocorre principalmente nos bebês e crianças até 1 ano de idade. 

É caracterizada por inflamação aguda, edema, necrose (morte das células localizadas nos bronquíolos), aumento da produção de muco (catarro) e broncoespasmo (que causa a falta de ar).
É a doença das vias aéreas inferiores mais comum em crianças menores de 1 ano, sendo mais grave nos menores de 6 meses, especialmente em prematuros.

Quais são os sintomas? 

Os sintomas geralmente começam com um quadro de nariz escorrendo, tosse, febre baixa, que evolui para desconforto respiratório, com chiadeira no peito e sibilos. Os sintomas duram em torno de 1 semana, sendo que a tosse pode durar mais tempo, geralmente a última a passar (para infelicidade da criança e dos pais…)

Como ocorre a transmissão? 

A fonte da infecção é geralmente alguém da família ou da creche ou escolinha que está resfriado ou tossindo, mesmo que não esteja com desconforto respiratório. Em adultos e em crianças maiores, mesmo que apresentem edema no bronquíolo, como nos bebês infectados, não tem os mesmos sintomas dos bebês, pois o calibre da sua via aérea é maior, e muitas vezes são os portadores assintomáticos da doença, ou tem somente um resfriado comum. A transmissão ocorre por contato direto com secreções, gotículas do ar ou objetos contaminados.

Características da via aérea intrínsecas à criança, como já expliquei no post sobre resfriado na criança, associados a alguns fatores de risco, justificam a sua rápida evolução para o desconforto respiratório e os pais devem ficar atentos aos sinais de alarme.

 Os fatores de risco para uma evolução mais grave são:

  • crianças com doença pulmonar crônica ou com displasia broncopulmonar

  • crianças com malformação cardíaca com repercussão

  • prematuros

  • baixo peso ao nascer

  • desnutrição

  • bebês menores de 3 meses.

 Os sinais de alarme indicativos de desconforto respiratório são:

  •  Criança que não está mamando bem ou não está se alimentando por causa do cansaço
  • Criança muito irritada, mesmo sem febre, ou caidinha, ou com gemência
  • Criança com esforço respiratório: a barriguinha afunda junto com o tórax, a região logo abaixo do pescoço, que chamamos de fúrcula, afunda, o narizinho tenta abrir mais para respirar melhor..
  • Oxigenação do sangue baixa, medida por aparelho específico
  • Frequência respiratória elevada para idade

Se você mamãe tiver dúvidas em como identificar esses sinais, pergunte ao seu pediatra.

Se você tiver dúvidas quanto ao estado do seu filho, leve-o no médico.

 Inflamação, inflamação, inflamação

 O vírus apresenta uma afinidade (infeliz) pelo epitélio da célula dos brônquios e bronquíolos e ocorre a destruição celular, com consequente processo inflamatório local…(lembra do mecanismo do resfriado que expliquei no post anterior? É como o joelho ralado, mas dessa vez em outro local…) A inflamação gera mais inflamação, com edema local e a consequente obstrução e diminuição do calibre da via aérea, já tão pequena nos bebês. O processo inflamatório também causa aumento da produção de muco, com aumento da secreção, traduzido em muito catarro nesses bebês.
Os músculos lisos presentes em cada bronquíolo e brônquio também se contraem, gerando ainda mais obstrução.
 Alguns bebês apresentam uma resposta a esses agentes infecciosos mais exacerbada que outros, e estes evoluem mais gravemente, além de poderem apresentar episódios de chiado repetidos, mesmo sem infecção.  Existem alguns fatores que aumentam o risco ddo bebê evoluir para um “bebê chiador” no futuro e até com asma mais tardiamente.

 Como o diagnóstico é feito?

 É essencialmente clínico, após obter os dados da história e do exame físico do bebê. O raio de tórax, hemograma e pesquisa de vírus respiratório não é feito de rotina, mas para aqueles que ficarão internados pode ser de grande valia. O raio- X de tórax pode ser feito para diferenciar a bronquiolite de outras doenças, como uma pneumonia, ou uma atelectasia, que ocorre quando uma região do brônquio está fechada, seja por edema ou acúmulo de secreção.
Uma vez entendido a doença e sabendo quando identificar a gravidade, podemos então entender sobre o tratamento, mas isso vai ficar pro próximo post, não perca!
Espero que tenha ajudado a esclarecer um pouco essa doença que nessa época do ano deixa os papais muito preocupados…
Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga também no Facebook (ative o receber notificações, para receber aviso dos posts novos) e instagram (@pediatriadescomplicada).
Um abraço,
Dra. Kelly Marques Oliveira
CRM 145039

Consultório particular em São Paulo: (11) 5088-6699

*As informações dadas aqui não substituem a consulta médica. Se houver dúvida o médico deverá ser consultado.

photo credit: http://www.google.com.br/url?sa=i&source=images&cd=&cad=rja&uact=8&ved=0CAgQjRw&url=http%3A%2F%2Fwww.vtherm.com%2Frsv-bronchiolitis%2F&ei=t8wUVbmxJfSRsQSD64DYBA&psig=AFQjCNFEAuuxh1sbxwGTGnl94Hvupud11g&ust=1427512887698347

24 Comments

  • G.godoes 31/03/2015 Reply

    Minha filha esta com essas caracteristicas, ela fez 7 meses e estou preocupada pelo fato da respiracao dela estar debilitada. Ja marquei pediatra amanha. Nossa fiquei super preocupada agora, achava que era um simples resfriado. Fiquem atentas mamaes , nenhum bebe merece ser mal cuidado.

  • Fabio 31/03/2015 Reply

    Adorei o post mas a fonte está muito difícil de ler

    • Oi Fábio, trocado a fonte, está melhor?

      • Bruna 29/06/2016 Reply

        Dr. Meu bebé tem dois meses e está com um chiadinho mas não vejo ela desconfortável para mamar ou com febre só eu mesmo pelo incômodo do barulho na respiração oque pode ser oque devo fazer ?

  • Pingback: Bronquiolite: a importância da prevenção | pediatria descomplicada

  • Pingback: Tosse: medidas simples e eficazes para acabar com esse mal | pediatria descomplicada

  • rose poli 01/04/2015 Reply

    Ola Dra. Sempre leios seus posts..acho muito interessantes e de um grande valor…pois sou mãe de 2 meninos ..e um já teve a bronquiolite…qdo o caso é grave, realmente é desesperador…obrigada. Abraços Rose Poli

  • DAIANE 01/04/2015 Reply

    tem como saber se o peito ta cheio colocando a mão ? quanto a criança ta cansada o coraçäo fica acelerado?

    • Olá querida Daiane, podemos perceber se o peito está cheio quando ele está mais firme, sem estar empedrado. è importante que você faça um acompanhamento com o pediatra para orientações, de preferência um pediatra que apoie a amamentação de verdade! Em relação aos sinais de desconforto respiratório, muitos sinais a mãe pode perceber com a orientação correta do pediatra, então o ideal que seja orientado sempre. Se precisar de acompanhamento profissional, atendo em consultório particular em São Paulo, para marcar consulta você pode ligar para (11) 5088-6699. Continue acompanhando as novidades por aqui! Para seguir o blog e receber as novidades por email, basta clicar no botão “seguir” no site. Siga também no Facebook (ative o receber notificações, para receber aviso dos posts novos) e instagram (@pediatriadescomplicada) Um bjo, Dra Kelly

  • Juliana 01/04/2015 Reply

    boa noite,minha filha esta com tosse há 2 meses, já levei ela no medico 9 vezes uma ela ficou internada por outro motivo, com varios tratamentos e a tosse continua. O peito estava cheio. A última vez deu febre, levei ela no médico e a médica disse que era um resfriado. Hoje foi o 3o dia com febre e nao passa de 38,6. Queria saber se resfriado deixa a criança com febre e olho caidinho, roxinho embaixo.

  • josielle nascimento 02/04/2015 Reply

    Essas informações foram muito boas,agora vou tomar mais cuidado com a minha bebe.Obrigada!

  • Pingback: Bronquiolite: Como tratar? | pediatria descomplicada

  • Pingback: Dicas de inverno: dúvidas comuns para o frio -parte 1 | pediatria descomplicada

  • Adriana 19/01/2016 Reply

    Olá, meu bebê tem 23 dias e começou a ter muita tosse e dificuldade de respirar,mas nao teve febre, levei a emergencia, la fizeram o rx e deu normal sem alteraçoes, o medico falou que é só um resfriado e mandou só colocar soro no nariz varias vezes ao dia,mas fico preocupada pois ele ta com muita tosse,e a respiraçao ofegante, deve ficar preocupada,ou o fato de o rx ter dado bom descarta algo mais grave?

  • Pingback: Gripe H1N1: entenda a doença e sinais de gravidade – parte 1 | pediatria descomplicada

  • Andrea 16/05/2016 Reply

    Meu filho está com todos esses sintomas o que posso dar pra ele ?????

  • Pingback: Não pega esse vento gelado menino! – o tempo frio causa gripe? | pediatria descomplicada

  • Pingback: Bronquite, dermatite e tempo seco, o que fazer? | pediatria descomplicada

  • lorhaine 04/09/2016 Reply

    Como previnir a broncolite??

  • Debora 04/09/2016 Reply

    Olá meu filho está co bronquiolite ele tem 2 meses e meio,está com dificuldade para respirar mais não teve febre nasceu de baixo peso e está assim faz 1 mês e meio, primeiro o pediatra falou que era normal so lavar com soro salsep ok, 2 semanas depois levei novamente e disse que era apenas secreções lava com soro e dar uns tapinhas nas costas pra soltar o catarro e nebulizacao so com soro ok 20 dias depois levei novamente mas 3 dias nebulizando com soro e lavando o nariz com salsep ok, volte bateu um rx e disse que tava querendo começa uma pneumonia 10 dias em casa tomando antibiótico e nebulizando com berotec ok, nada a respiração piorou levei no 11 dia outra rx e diagnosticaram com bronquiolite mais acho que ele deveria ficar em observação no hospital ou ter feito nebulizacao no hospital que é melhor que em casa….. vc podeme orientar de algo ou algumas dicas sei la o hospital publico do rio de janeiro necessita de pessoas que realmente goste de trabalhar com crianças por aqui ele atende muito mal ai vc fica preoculpada pq vc nao estudou pra isso e ficamos perdidos so Deus

  • Debora 04/09/2016 Reply

    ?????

  • PAPXU@HOTMAIL.COM 04/07/2017 Reply

    DEI XAROPE AEROLIN MINHA FILHA DE 1 ANO E 8 MESES POR SETE DIAS E NAO RESOLVEU.PROBLEMA DE TOSSE..DEVO CONTINUAR OU PARAR? OBGD

Deixe uma resposta