urso

Dicas de verão: Saiba como proteger seu filho contra as picadas de inseto – parte 2

picada de inseto, dra kelly oliveira, pediatria descomplicada, cuidado da crianca, cuidado do bebe

Olá papais e mamães,

Seguindo o tema de dicas de verão, hoje falarei sobre outras medidas de proteção contra picadas de insetos, que não os repelentes. Você papai ou mamãe que tem um bebê menor de 6 meses, vejam que opções vocês têm para proteger seu bebê! Espero que gostem das dicas 😉

Repelentes de barreira e de ambiente 

Esses repelentes são usados para evitar o contato do inseto com a criança. Bebês pequenos principalmente, que não se movimentam tanto, e ficam mais no carrinho, no berço ou no moisés, são facilmente protegidos por esses métodos. Além disso, nos bebezinhos menores não existem muitas alternativas para repelentes tópicos, como vimos no post anterior.

Segue então as dicas!

  1. Mantenham portas estejam bem vedadas, as janelas, fe­chadas e com telas. Se o mosquito não entrar, ele não vai picar!
  2. Uso do ar condicionado. Ambientes refrigerados com ar condicionado é uma forma  eficaz de manter os mosquitos afastados do quarto do bebê, por exemplo. Mosquitos não gostam de frio! Mas cuidado para manter sempre o seu bebê numa temperatura agradável, nem para passar frio, nem para ficar hiperagasalhado com risco de sufocar!
  3. Mosquiteiros simples podem ser usados, sendo indicado para proteger os pequenos nos berços, carrinhos, moisés… lembrando que o tamanho dos poros das telas deve ser no máximo de 1,5mm. E certifique-se que não há nenhum pernilongo dentro do mosquiteiro, do contrário ele vai fazer a festa e seu bebê vai sair todo picado…
  4. Mosquiteiros com aplicação de inseticidas (permetrina) são excelentes para proteção e pode ser encontrados em lojas de artigos para bebês. São mais eficazes que os mosquiteiros comuns, e têm baixa toxicidade e absorção.
  5. Quando possível, fazer o uso combinado de repelente tópico + tela tratada com inseticida,  se seu bebê já puder utilizar o repelente tópico. Essa é a medida que tem melhor custo-benefício para as crianças!
  6. Usar de preferência roupas que cubram a maior parte da superfície do corpinho do bebê, de preferência com roupas claras e frescas, que chamam menos a atenção. Claro que no calor isso fica inviável, pois a criança acaba suando muito e ficando desconfortável, mas pode, por exemplo, considerar o uso de ar condicionado aliado a roupinhas cobrindo a pele do bebê e ainda um umidificador de ar (esse último porque o ar condicionado deixa o ar muito seco…). Haja trabalho!
  7. Aplique o repelentes sobre a roupa do bebê (DEET, icaridina), pois isso confere proteção por mais tempo e diminui o uso tópico dessas substâncias. Existe inclusive roupas especiais que já vêm embebidos com repelente. É indicado principalmente para uso em locais com grande quantidade de insetos (viagens para a praia e camping ou montanha).
  8. As velas naturais ou incensos só têm ação quando colocados várias horas antes da exposição da criança ao ambiente. O seu efeito repelente é pequeno, e não deve ser usado isoladamente. Dessas, a vela de andiroba se mostrou a mais eficaz, principalmente contra o mosquito da dengue.
  9. Os aerossóis são usados com o objetivo de matar os insetos já presentes no local, e não mantê-los longe pela noite toda. Devem ser aplicado 2 horas antes de dormir e nunca em excesso! Prefira os a base de água.
  10. Os protetores de tomada elétricos são considerados seguros para crianças e bebês e podem ser utilizados.

Mitos e verdades: o que realmente funciona

Vários “repelentes”, que vão de aparelhos, até alimentos, vitaminas e até simpatia, são utilizados hoje para proteger contra picadas de insetos, entretanto nem todos tem sua eficácia comprovada. Isso não significa que não devem ser usados, nem que não poderiam ser utilizados, porém estudos científicos não puderam comprovar sua eficácia! Isso inclui desde aparelho de tomada a receitinhas antigas de vó…

O que não funciona 

Repelentes ultrassônicosdispositivos elétricos luminosos com luz azul. O som ultrassônico não foi possível demonstrar sua eficácia. A luz qualquer o inseto para ela, porém não é capaz de prevenir as picadas, pois existem outras substâncias produzidas pelos seres humanos que podem ser mais atraentes para os insetos do que a luz.

Pulseiras com repelentes protegem somente ao redor de uma pequena área, e não a criança toda.

Vitamina B1 ou complexo B, chá de alho ou qualquer outra recetinha de vó não são comprovadas cientificamente, mas nada impediria de usá-los também…

Recomendação importante

Se você tem um filho alérgico a picadas de inseto, leve sempre ao pediatra para ele poder te dar orientações específicas. Nunca faça automedicação! 

Sempre teste o repelente, aerossol, protetor de tomada, mosquiteiro antes! Crianças alérgicas (ou não) podem ter reações inesperadas a esses repelentes e inseticidas.

Bem, espero que tenham gostado! Ainda não acabou…no próximo post falarei sobre medidas de segurança, o que fazer se seu filho alérgico for picado ou tiver uma reação inesperada e como utilizar os repelentes.

Mandem suas sugestões, dicas e histórias!

Um abraço,

Dra. Kelly Oliveira

CRM 145039

Você também pode gostar de:

Dicas de verão: saiba como proteger seu filho contra as picadas de inseto

Referência Bibliográfica:

Insect repellents: recommendations for use in children. GP Stefani et al. 1. Rev Paul Pediatr 2009;27(1):81-9

Photo credit: http://siklusair.com/wp-content/uploads/2013/07/mosquito-bites-on-face.jpg

12 Comments

Deixe uma resposta